sexta-feira, 20 de maio de 2011

Colinenses no. 22 - Muros transcendentes? - crônica do Emb. Renato Prado Guimarães


Muros transcendentes? 

                          Há que voltar ao mural – à série sobre os muros de Colina (Colinenses no. 10: Muros de Colina; Colinenses no. 11: Festa na rua; Colinenses no. 15: Muros altos, ruas largas). 

                         Existem coisas quase que insensivelmente simbólicas de atitudes sociais – ou anti-sociais. Eu tenho uma bela gravura da Maria Bonomi, imensa e com formato que lembra uma flecha. A Maria me disse que poderia pendurá-la no sentido que quisesse. Mas logo percebi que a flecha não poderia apontar 1) para baixo (parecia mandar o visitante para debaixo da terra, um “vá pro  inferno” gráfico), nem 2) para fora do ambiente, da casa (parecia mandar o espectador embora, um “mande-se daqui” cabal). Acabei colocando dirigida para o alto, encaminhando os visitantes para os céus... E céus brasileiros, pois a peça é toda em verde e amarelo. 

                         Mas me custou perceber tudo isso. Tanto quanto penetrar na psicologia das portas de Montevidéu, quando lá estive. De livro em rascunho (“Crônicas Tardias, Memórias Precoces”), não resisto a antecipar esta crônica, como introdução (ou provocação) ao debate sobre os muros de Colina:  

                               “Montevidéu deveria, toda, ser tombada,
                                como um monumento urbano global, 
                                testemunha de uma era de prosperidade 
                                esclarecida, na arquitetura, nas artes, na 
                                cultura. Não sei como estará agora, pois já lá
                                vão 15 anos que não a visito. Gostaria mesmo
                                é que fosse tombada tal como era no meu 
                                tempo...

                                Com seus quarteirões inteiros de casas 
                                antigas, antigas lojas e armazéns, ainda
                                decorados como se estivéssemos cem anos 
                                atrás. Com suas belas portas, dando 
                                diretamente sobre a calçada, de uma 
                                imponência cativante, elegantes, altas,
                                largas,
                                abrindo em duas folhas, em madeira espessa e
                                desenhada, caprichosamente trabalhada em 
                                sinuosidades art-nouveau, vidros foscos, 
                                discretos. 

                                Sempre achei que as portas de Montevidéu 
                                escondiam uma mensagem, abrigavam 
                                mistérios, sugeriam como a passagem não só 
                                para outros espaços, mais além, mas também 
                                para outros tempos, insondáveis.

                                As portas de Montevidéu tinham até seu 
                                pintor, Enrique Medina, que as reproduzia
                                fielmente, em preto e branco, em minúcia 
                                quase fotográfica, como nosso João Paulo
                                Moreira da Fonseca fazia, em cores 
                                elaboradas, com as portas fluminenses. 
                                Gostava muito das portas do Medina, retratos
                                esmerados das portas reais que tanto 
                                apreciava nas ruas da cidade; mas havia 
                                sempre algo a qualificar minha satisfação 
                                estética, uma ressalva interior, estranha, que
                                me impedia de apreciá-las como talvez 
                                merecessem. E eu não conseguia atinar por 
                                quê.  

                               No centro de Montevidéu havia um 
                               restaurante,
                               muito bem localizado e montado, mas 
                               financeiramente um eterno malogro. Diversos 
                              donos se sucederam no espaço, e todos 
                              fracassaram. Eu próprio lá fui um par de vezes,
                             mas sempre me senti meio incomodado, pouco à 
                             vontade. Reclamava um amigo uruguaio: “A 
                             comida é boa, o serviço é ótimo, o ambiente é
                             agradável, a decoração é de bom gosto. Tem na 
                             parede até aquela porta enorme do Medina, em 
                             tamanho natural. Por que não dá certo?”.

                             Veio-me a inspiração, súbita, de estalo, 
                             inesperada: “É por causa da porta do Medina!”. 

                             E tive que explicar o que só naquele momento 
                             percebera: a imensa porta do Medina, 
                             entreaberta, abria para fora! 

                             Por mais agradável, e “cozy”, o ambiente, a
                             porta incomodava a freguesia, como que a
                             convidava a sair, a ir embora.  Não era um 
                             incentivo a desfrutar do bom ambiente, da boa
                             comida, do bom vinho; pelo contrário, era uma
                             perene e poderosa sugestão de retirada. A tese, 
                             decerto audaciosa, causou espanto, mas não 
                             houve quem a contestasse, ao menos de
                             imediato. 
                            Talvez por absurda, improcedente? Nem sei se 
                            tiraram o Medina inóspito do restaurante, nem 
                            do destino deste nas mãos do novo proprietário, 
                            um brasileiro, gaúcho, que fora gerente da 
                            agência do Banco do Brasil na Capital uruguaia.
                            Seus filhos tomavam conta.

                            Ao deixar o Uruguai, amigos me deram uma tela 
                           de Medina, uma de suas indefectíveis portas, e 
                           das que abrem de dentro para fora. Em minhas 
                           paredes, na Austrália, no Brasil, em Frankfurt,
                           em Tóquio, todos apreciavam a técnica, a 
                           qualidade da pintura, a beleza da peça 
                           retratada, o jogo de luzes e sombras em preto e 
                           branco, mas poucos eram os que realmente se 
                           entusiasmavam. Talvez por pouco hospitaleira, 
                           como no restaurante?

                           Mas as portas de Montevidéu são bonitas, 
                           abertas ou fechadas, afora ou adentro, 
                           recebendo ou despedindo, em pintura ou ao vivo –
                           não importa. E são portas também espirituais, 
                           que transcendem. 

                           Bem que eu gostaria de abrir minha porta do 
                           Medina e por ela sair de volta à Montevidéu do 
                           meu tempo.” 

                    Quê que têm a portas de Montevidéu com os muros de Colina?

Sei lá! Ou os muros de Colina são também transcendentes? 





SOBRE O AUTOR:

Renato Prado Guimarães nasceu em Colina, Estado de São Paulo.Começou a carreira profissional como jornalista, nas “Folhas” e no “O Estado de S. Paulo”; paralelamente, formou-se na Faculdade de Direito da USP, no Largo de São Francisco.Diplomata desde 1963, foi Secretário de Embaixada em Bruxelas e Bogotá, Chefe do Escritório Comercial do Brasil nos EUA, Cônsul Geral ad ínterim em Nova York, Ministro-Conselheiro na Embaixada em Washington e Encarregado de Negócios junto aos EUA, ad ínterim.Promovido a Embaixador em 1987, exerceu aquela função na Venezuela, no Uruguai e na Austrália (cumulativamente, também na Nova Zelândia e em Papua-Nova Guiné). Foi igualmente Cônsul-Geral do Brasil em Frankfurt, na Alemanha, e em Tóquio, no Japão.No Brasil, foi Chefe da Divisão de Programas de Promoção Comercial, porta-voz do Itamaraty na gestão Olavo Setúbal e Chefe do Gabinete do Ministro Abreu Sodré; fora de Brasília, foi Chefe do Escritório do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo – ERESP, que instalou.Aposentou-se em abril de 2.008. Reside atualmente em Colina, sua terra natal, interior de São Paulo, Brasil.
É o autor de “Crônicas do Inesperado”, lançado em outubro de 2.009.
Para contatos, usar o endereço de e-mail rpguimar@gmail.com
Aberto às suas opiniões, sugestões, etc...

para saber mais sobre o autor, por favor, acesse os links:
http://colinaspaulo.blogspot.com.br/2012/04/renato-prato-guimaraes-autor-colinense.html

ou seu blog: