sexta-feira, 12 de fevereiro de 2016

Retratos de Colina, uma imagem, uma frase ou um poema (ou uma legenda) - Desafio - 2


Esta é a segunda postagem do desafio... 

Em 30 de janeiro/2016, promovemos um desafio através da Página Colina SP do Facebook, com as seguintes regras: 

Regras: publicar apenas uma foto por dia (durante 3 dias), com legenda (local, data (se possível) e uma frase ou poema que descreva a foto ou seu sentimento ao tirá-la. Desafiar apenas uma outra pessoa por vez. As limitações são para que todos possamos aproveitar todas as fotos dos participantes, senão a coisa toda vai assumir proporções tão grandes que a gente não vai conseguir usufruir... As fotos devem ser publicadas no seu próprio perfil com a hashtag do desafio: #retratosdecolinasp


Primeiro, abrimos a sugestões para o nome do desafio. A Marcela Jorge Drubi sugeriu Retratos de Colina e o Valdemar Vello complementou: uma imagem, uma frase (ou um poema) e as demais foram incluídas como sugestões para fotos. No decorrer do desafio, as pessoas colocaram também legendas nas fotos, o que levou o Valdemar Vello a escrever numa das fotos: "Um achado que se revelou nesse desafio foi o resgate do texto. Da palavra escrita! União perfeita de imagem e depoimento. Belezura pura".

Realmente, o desafio trouxe muitas e ótimas surpresas, tanto nos textos como nas fotos. Revelações. Fotos inéditas. Personagens e personalidades da cidade. A adesão também é grande (o desafio ainda está correndo). 

Vamos publicar aqui, mais ou menos pela ordem em que o desafio começou e se propagou. A primeira foto/poema foi publicada no Facebook em 29/janeiro/2016. Esta é a segunda publicação: 

MARCIA JULIANI JUJU:

PRIMEIRO DIA DO DESAFIO .. E quem não conhece o famoso Senhor Deolindo Antônio de Souza.... Esse é meu avô que nasceu em Caculé, na Bahia, Nascido no dia 23/03/1923, veio pra cidade de Colina com 12 anos de idade, construiu aqui nossa grande família Souza, todos o conhecem pelo trabalho que realizava limpando caixinhas de gorduras pela cidade com seu carrinho de duas rodas azul, quem não lembra.? Eu ainda criança me lembro que ao término do trabalho quando voltava pra casa, eu mas irmãos e primos o avistàvamos e saíamos ao seu encontro onde ele carregava um de nós em cada lado do pára-lama de seu carrinho, era uma alegria só, hoje com 92 anos está de cama e cadeira de rodas,um orgulho para a família Souza e para todos os colinenses que tiveram o prazer de conhece-lo. Colina SP ... ‪#‎retratosdecolinasp‬

 

SEGUNDO DIA DO DESAFIO..... 

Talvez alguém já tenha falado sobre esse lugar, mas eu também quero registrar aqui o quanto aprecio este lugar que se tornou um lazer para os colinenses, lugar onde eu e mais pessoas fazemos caminhadas pela manhã ou de tardezinha, lugar onde aos domingos podemos ver famílias reunidas fazendo piquenique, sem contar o lago que tem pessoas que vão para pescar, tem acontecido shows também, e por que não falar sobre a queima de fogos que acontece toda virada de ano atingindo grande número de pessoas... Enfim, minha câmera hoje registra o lago de Colina e sempre que posso registro fotos e posto porque vale a pena mostrar o que nossa cidade tem de bom, e que conservamos esse lugar, que possa melhorar ainda mais esse lugar de lazer..... Tá aí Colina SP..... ‪#‎retratosdecolinasp‬

TERCEIRO E ÚLTIMO DIA DO DESAFIO..... Falando outra vez do lago, mas hoje falo da exposição de carros antigos que acontece nas festividades do aniversário da cidade, onde veículos de todos os tipos, carros, motos, bicicletas antigos são expostos ao ar livre no gramado em volta do lago e assim a população pode apreciar, tirar fotos, ou até saber pelo dono do veículo o seu ano, e tudo mais. Esse é um evento anual do 21 de abril e todos que gostam apreciam. Colina tem seus valores, seu lazer, bom seria se houvesse mais investimentos para melhorias, mas aqueles que acreditam numa Colina melhor lutará por isso. Orgulho de ser Colinense...


BETO LIMA:

1º dia do desafio - ‪#‎UnidosdoTeto‬ Emoticon heart
Obrigado pelos e elogio e pelas criticas e obrigado a todos foram prestigiar a Nossa Escola de Samba Unidos do teto 
E quem gostou da um like aí

2º dia do desafio - Fui desafiado pelo nosso amigo Jose Angelo Carminati a postar por três dia fotos com temas retratos de Colina SP mas não achei fotos e sim um vídeo dessa pessoa bem conhecida por todo nassa querida cidade e resolvi posta-lo: JOAO LENHA VERDE

terceiro dia do desafio - Fui desafiado pelo grande amigo Jose Angelo Carminati a postar por tres dias fotos com o tema retratos de Colina SP e hoje no meu ultimo dia passo o desafio ao Jose Carlos Higinio meu cunhado nascido em COLINA e mora no RIO JANEIRO e conhece bem a historia de nossa querida cidade e seus moradores .Pena que essa é minha ultima postagem do desafio e aproveito pra homenagear essa guerreira que sempre esta presente em nossos eventos comunitarios como carnaval ,festa junina e outros .sempre alegre nunca deixa a peteca cair: Carmemsilva Girardi 

Beto Lima cumpriu o desafio Retratos de Colina, uma imagem, uma frase ou um poema - Parabéns Beto. - Beto publicou duas fotos e um vídeo sobre o Lenhaverde. - agradecimentos ao Jose Angelo Carminati e à Samira Zanolla Zeitum que forneceram as fotos do Lenhaverde. Para ver todas as fotos do Desafio clique nesta hashtag: ‪#‎retratosdecolinasp‬


NESTOR DE OLIVEIRA Fº:

1º dia do Desafio Retratos de Colina: uma imagem, uma frase (ou um poema)
Monte Belo, peças do arreamento antigo usadas por Benedito e Antonio Paro - Entre os farrapos no porão da casa Paro, essas relíquias testemunham um passado glorioso de uma vida dura, porém, pujante, vencedora e honrada.

GIBÃO desbravou
Benedito usou
Paro fazenda

Mata selvagem
GUAIACA levou
Dindim e merenda

Neste apetrecho
Bisnetos, saudade
Futuro e vida

Segue o exemplo
Do tronco raiz
Família unida

Segundo dia do desafio ‪#‎retratosdecolinasp‬ respondo a Colina SP e a todos os participantes com esta foto de 1956 do Armazém do Monte Belo. Foto editada para com ela homenagear o Valdemar Vello e seu avô. Lembro-me de quando morava na colonia em frente ao armazém e também quando estudei no Grupo Escolar via o carro de Balas e Doces Vello que regularmente vinha fazer entregas de produtos alimentícios.

DOCES LEMBRANÇAS

Moleque sapeca
Jogava fubeca
Gostava de doce

Doce marmelo
E das balas Vello
Fiado se fosse

Escola recreio 
Vitrine recheio 
Bolacha e doce

Corria descalço 
Naquele percalço
Pedia um doce

Doce suspiro 
Ah! que respiro
Leva que trouxe

Infância vivida
Lembrança querida
Doçura de um doce

(NOF)

3º dia do Desafio Retratos de Colina, uma imagem, uma frase (ou poema) -

Nesta foto homenageio meu pai Nestor de Oliveira e todos os colinenses que lidam com a terra, com o campo, com os animais.

Mãos que colhem

Semeadura esperançosa
Muitos pingos de suor
Pingos d’agua vêm do céu
Germinando o bom labor
Chuva boa e sol fecundo
Maturando a floração
O roceiro esperançoso
Se prepara em mutirão
No roçado e na colheita
Vê os frutos em suas mãos
30/01/2016 NOF

Segue abaixo esse artigo que meu pai escreveu sobre esse enxadão dele:

Meu Enxadão ‘Querido’

Oh! Enxadão querido, quando te pego, em minhas mãos veem-me tantas recordações, nesse instante vem-me uma saudade, que sai do fundo do meu coração. Você sabe que essa nossa amizade vem desde o ano de 1941. Lembro-me que foi no começo de setembro que o nosso administrador mandou o fiscal avisar todos nós, colonos, da fazenda para que, quem não tivesse, fôssemos comprar, pois tínhamos um serviço para ser executado e todos precisariam desta ferramenta. Então eu fui para Colina, e lá na Casa São Domingos eu te encontrei e te comprei. A colheita de café daquele ano foi fraca e terminou um mês antes do prazo. Assim a fazenda nos mandou em uma invernada (pasto grande), que ficava na divisa com a fazenda Santa Genoveva, para arrancarmos todos os arbustos de amendoim, arranha gatos, lixas e cipós de todas as qualidades, foi um mês de serviço bruto, mas, foi divertido. E você, enxadão, foi meu grande companheiro nessa empreitada. Depois que arrancamos os arbustos fomos roçar as ervas e capins rasteiros. Então foi mais divertido ainda, era bonito ver, aqueles cem homens, todos manejando as suas foices. Levávamos um eito de duzentos metros de extensão, duzentos indo e duzentos voltando, era bonito e engraçado ver o bailar das foices. Naquela invernada havia muitas aves e bichos, pegamos várias cobras cascavel que, em caixas, eram mandadas para o Instituto Butantã. Quantos passarinhos, nhambus e codornas que pegamos! Várias codornas, ao levantar voos do ninho, batiam nas nossas foices, que estavam no alto para dar o golpe no capim, e caiam mortas. Lembro-me que um cachorro do mato saiu no meio de nós, e, pega daqui e pega dali, ele conseguiu vazar o cerco passando entre as pernas de um colega e saiu ileso fugindo para o mato. Se este enxadão velho falasse, quantas coisas ele ia contar! Já perdi até as contas de quantos tocos ele me ajudou a arrancar. Lembro-me também, que naquela capineira beirando a mata da fazenda do senhor João Henrique Paro, você enxadão ajudou-me a desbravá-la, arrancando todos aqueles tocos. Quantos buracos você fez! E também quantas cercas fizemos juntos! Lembra-se dos cochos (para colocar os alimentos dos animais) que você ajudou-me a furar, querido enxadão! Devo admitir, enxadão, que você é mais forte que eu; ou seja: você furou aquele coxo de aroeira e não sentiu nada, enquanto que eu fiquei cansado e com o corpo todo dolorido. Meu querido enxadãozinho, você me ajudou a criar meus queridos filhinhos, por isso é que eu lhe estimo tanto. Eu não dou e nem vendo você para ninguém. Você é para mim uma joia preciosa e me acompanha há mais de meio século. Em todas as casas que nós mudamos, era com você que eu furava os buracos para fazer as cercas e, também, para fincar as estacas dos varais de roupa. Você acompanhou-me durante vinte e um anos, na roça, e quando mudei para a cidade, você também veio, pois a nossa união para o trabalho era tão grande que não tive coragem de ti deixar. Eu coloquei você em cima do caminhão e partimos, porém, eu vim de Trem e quando aqui cheguei você já estava me esperando. Um dia desses, ao olhar-te, eu senti dó em ver-te com este cabo de peroba, tão grosso, pesado e comprido. Esse cabo tira boa parte de sua força, na hora de penetrar na terra. Eu estou velho e já estou parando com minha empreitada, ao passo que você, ainda vai longe, vai furar buracos por mais uns sessenta anos. Até lá; somente Deus saberá onde estarei. Da minha parte eu espero estar com nosso Pai no céu. E você, meu enxadão, quando estiver bem pequeno, com sua lâmina toda gasta, vão te vender como sucata e te derreter na fornalha, e, provavelmente, na fundição de ti farão uma nova ferramenta e com isso um outro trabalhador comprar-te-á e vocês seguiram uma nova jornada.

Nestor de Oliveira (pai) (2003)


Nestor de Oliveira Fº - fotos extras: 
Colina SP, veja que relíquia essa foto, veja o traje deles, todos de chapéu, os dois que estão sem, tiraram para fotografar. Os 11 formavam um time de futebol, não estão de uniforme esportivo porque não era dia de jogo. Também, acredito, não era o time oficial do Monte Belo. Naquela época tinha muitos moradores nas fazendas e o Monte Belo era um Bairro formado por várias, tinha muitos jovens jogadores, então, além do time principal, formavam (exemplo) times da fazenda de baixo para jogar contra a fazenda de cima, no entanto dentre esses muitos jogavam também no time principal.Não sabemos o nome de todos: João Henrique Paro, Armando Paro, Américo Paro, Emílio Paro, João Pedro Paro, Francisco Martins.

Monte Belo Esporte Clube (1960+-) Colina SP
da esq p/ dir. Antonio Paro Filho, João Benedito, Adauto, Lupércio Paro, João Colombo. Agachados, Antonio Nenem Paro, Afonso Malpica, João Paro, João Ernesto Paro, Otávio Marin.

NÉIA PEREIRA:

Aceitando o desafio por Colina SP - ‪#‎retratosdecolinasp‬
Tema :Personagem Colinense
Esta mulher retrata o perfil da mulher Colinense. Foi esposa fiel, leal, companheira e empreendedora. 
Ficou viúva, criou seus filhos com dignidade, fazendo que se tornassem pessoas de bem. Nádia e Leandro. Dona de casa zelosa, caprichosa. Mae! A mãe! Adora flores, planta e cuida de tudo com muito amor. Manicure é sua profissão, q com muita habilidade responsabilidade e carinho atente muito bem suas clientes. Solidária, se desdobra para ajudar as pessoas. Com uma palavra, uma visita e acima de tudo com atitude. Sabe fazer o tempo dar tempo pra tudo. Ama o próximo como a si mesma. Sim... Como a si mesma. Porque ela se ama, se cuida tá sempre linda. Rodeada de amigos e familiares. Esbanja alegria simpatia e sorrisos q completa sua beleza. Querida por todos.
Nilva Fernandes - Um exemplo de mulher Colinense - 
Sou sua amiga, sua cliente - SOU SUA FÃ

Segundo dia do desafio por Colina SP
Paixão por Colina
Octávio Neves. Um Colinense de coração. Vive aqui desde a década de 50. Morou durante muitos anos no Hotel Brasil. Em frente a Estação Ferroviária. Estava sempre nos bares daquele setor proseando com os amigos, inclusive com meu pai, q tbm sempre estava por ali, Bar do Percival, do Guido, do Baco. 
Quem não se lembra do Tavinho ou Garrincha, como era conhecido. Querido por todos. Amante da pesca. Hoje com 81 anos de idade aposentado, vive em Colina ainda, mora só. Tem muita história pra contar! Os familiares residem em Jundiaí estão sempre aqui. Tem muito carinho amor e respeito por ele. Ele espera pelos familiares com muito prazer e alegria. Mas, sair de Colina, não sai não. 
AMA COLINA! 
OCTÁVIO NEVES. Um cidadão Colinense. 
Terceiro e último dia do desafio Por Colina SP
SIMPLICIDADE
Entre casas e casarões antigos de Colina,trago a foto desta casinha antiga, que na década de 50 quando cheguei em Colina ela aqui já estava. Vivi parte de minha infância aqui com meus pais o Soldado Villobaldo, minha mãe Dona Antônia e meus cinco irmãos. É uma casa Geminada,nós morávamos do lado direito pra quem chega na casa.Do lado esquerdo morava Dona Julia com seus filhos e netos. Fica na Rua Sete de Setembro.Em frente a Panificadora Central q antes era de propriedade dos Fainask.Hoje pertence a família Martins.Popularmente conhecida como Padaria do Canarinho.Na Rua Sete De Setembro, tudo mudou, evoluiu, modernizou progrediu.Mas ela ali está do mesmo jeito.Nos traz grandes recordações, pra nós e pra muitas famílias q nela residiram.Ela retrata Colina e principalmente a Rua Sete De Setembro 
Desafio nosso amigo Renato Cândido Martins a postar durante três dias seguidos fotos q retratam nossa Cidade, ou Nossa Gente.



MARCELA JORGE DRUBI:


Primeiro Dia.

Aceitando o desafio Colina SP

O cavalo é considerado o mais nobre dos animais. Elegante, imponente, possui um grande significado para a nossa cidade carinho. 
Inúmeros exemplares, hoje , na Cavalaria da Polícia, são adquiridos na Coudelaria Paulista.
Festa do cavalo, Capital Nacional do Cavalo são atributos adquiridos ao longo dos anos, pela seriedade dos criadores e comprometimento de renomados profissionais e colegas veterinarios como o Dr. Leao e o pai de uma grande amiga Liliana PerdigãoDr Perdigao (in memoriam) que não mediram esforços buscando elevar esse animal; promovendo cursos para estudantes de zootecnia e veterinária na Fazenda do governo, leilões, festas e desfiles inesquecíveis! 
Como esquecer os cavalos participando dos tradicionais desfiles na rua 7 de setembro...
Aqui surgiram grandes nomes do Hipismo Nacional como o Fernando Xororó e Internacional como o Luciano Miranda Drubi (Luctho) , Carlos Parro o Cacá , seu irmão André Paro, Antenor Junqueira entre outros que virão. Além disso, tenho uma admiração e amor infinito pelo animal.


Segundo dia do desafio Colina SP ‪#‎retratosdecolinasp‬
Minha amada,sagrada e grande família.
O inicio de tudo, o meio e o amor eterno.
Agradeço a Deus por fazer parte dessa maravilhosa família que amo infinitamente ,nas alegrias,na tristeza, na saúde e na doença;repeitando e amando cada um de vocês até mesmo nas divergências e chatices...rs.
Temos uma aliança forte e duradoura,as raízes bem fincadas no solo; proporcionando esse amor que pra sempre será eterno.
Resumo assim:::
Berço,união,amizade,amor,colo,ombro,alma e coração.


Atrasado terceiro e último dia do desafio ‪#‎retratosdecolinasp‬ ColinaspHomenagearei através dessas fotos toda cidade e população de Colina. Minha família, avós amados, minhas professoras inesquecíveis, amigos de trabalho, alunos, profissionais liberais e todos em geral. Homenageio a todos engajados numa grande corrente de amor e fé neste momento das nossas vidas!! Muito bom poder contar com o apoio de pessoas que nos ligam, se mostram a disposição em auxiliar e confortar meus pais e estão torcendo para a recuperação do nosso amado Bra. Estamos agradecendo a todos de coração!!
Pitoresca e hospitaleira Colina és changrila que fascina és de convívio adorável és precioso ninho....


ANTONIO SERGIO TORQUATO:

Nossa Terra & Nossa Gente.
Falamos muito pouco dos nossos jovens e nessa oportunidade quero homenagear a todos e todas na figura de Gustavo (meu sobrinho rrsr) e Leonardo meu primo, jovens que buscam o futuro o primeiro em Colina e o outro em São Paulo hoje em dia a vida é muito dura para os jovens temos que reconhecer isso. Esses dois e os outros batalhadores e batalhadoras representam o futuro de Colina.
Obrigado pela oportunidade e fiquem com Deus.

Segundo dia do desafio.
Local - Burrinho
Local que tem uma represa e um sistema de captação de água para abastecer a cidade, bombeada até a caixa atras de onde é hoje a prefeitura, por um sistema de burrinho, fica a 4 km do Centro de Colina dentro da Fazenda do Governo. Era cuidado pelo falecido Sr Waldomiro e Dona Elsa, meus amigos Pais do João, da Mafalda e do Celeste, de vez em quando a gente pescava caras na represa, também cortava bambu jardim para fazer varas de pescar, costumava passar dias inteiros nesse lugar pitoresco e bucólico aprendi muitas coisas como matar um porco com espingarda calibre 40, carregar cartuchos com rolamãs, fazer armadilhas para animais, e principalmente a ter coragem porque no dicionário do pessoal não existia a palavra medo. No mesmo curso de água são três represas, burrinho, o açudinho do meio e o açudão da Fazenda do Governo.
Um lugar que pouca gente conheceu no meu entendimento por isso estou divulgando.
Obrigado pela oportunidade e Fiquem com Deus.

Terceiro dia do desafio.
- Nossa Terra Nossa Gente
- local Colina.
Com esta ferramenta rústica que herdei do meu Avô Luiz Camolesi, para nunca esquecer da força do trabalho, quero homenagear o pessoal da roça do meu tempo de Colina, pessoas super honestas, de fio de bigodes, que não tinham a coragem de roubar nem um carrapixo das propriedades. O trabalho era arduo de muito sol e pouca água, de café gelado, de caldeirão de comida, as vezes de chuvas, de trovoadas, de raios que matou meu companheiro de rua. A Principal rua da cidade cheia de homens e mulheres esperando o caminhão as 6:00 horas para na carroceria serem transportados ao trabalho. E eu conhecia muitos deles mandava um Opa! e era correspondido sempre com um sorriso e um OPA maior que o meu. Hoje um roceiro da Capital sinto grande saudades daqueles tempos de menino de gente humilde de fé e esperanças.
Foram gente como eles que fizeram e entregaram para a gente moderna o Brasil e a Cidade de Colina por isso esta homenagem ao povo da Nossa Terra Nossa Gente.