sexta-feira, 20 de maio de 2011

Vou-me embora pra Colina! - 2 - Viver a tarde




A nova versão da crônica inaugural Vou-me embora pra Colina, se desdobra em três crônicas

2 - Viver a tarde


                        O que precede me faz ceder à tentação de ler-lhes uns
versos que tive o privilégio de encontrar poucos dias atrás:

                                O desterro são cidades estrangeiras que já não se
                                parecem,
                                Apesar de serem iguais,
                                São espelhos voltados sobre si mesmos, vazios de
                                reflexos como poças ressecadas.

                                Gostaram? Sim? Então tem mais.
                                Em Colina aspiro a viver

                                Uma tarde mormacenta (como tantas outras),
                                E por isso mesmo única.
                                Uma tarde pretérita,
                                Ancestral,
                                Prenhe do aroma das idades
                                E de frágeis lembranças de momentos não vividos.
                                Uma tarde de saudades
                                As mais completas,
                                As mais absolutas.
                                Uma tarde de arrependimentos,
                                De aguda consciência do irrecuperável,
                                Da amarga nostalgia do que não tem mais volta.
                                Do que não é mais possível

                                Por ser já muito tarde.
                                (...)
                                Uma tarde de silêncios, de murmúrios e de
                                preces.
                                Uma tarde de invocações e de presságios.
                                Uma tarde religiosa,
                                Contrita,
                                Recolhida...
                                Mas também luciferina,
                                Dionisíaca
                                Profana.

                                Uma tarde diabólica e divina:
                                Uma tarde humana.
                                
                   Viver a tarde, enquanto não vem a noite, e com ela o escuro absoluto, indevassável...
                   Para os que tenham me confiado a subida honra de imaginar que fui eu quem escreveu esses versos aí, apresso-me em esclarecer que me falta talento para tanto - o talento que sobra no Claudio Guimarães dos Santos, o novo Terceiro Secretário do Consulado Geral, por cuja aquisição não posso deixar de felicitar o Cezar e todos vocês. O autor é ele. Ele é diplomata, poeta, pintor, médico e psicoterapeuta experiente. Não me perguntem por quê ele resolveu entrar para o Itamaraty. Acho que ele descobriu em nós um bom mercado, ou um bom terreno de pesquisa. Cobaias... Ele já encontrou casa em Frankfurt, ali na Grüneburgweg, em apartamento onde morou Heinrich Hoffmann, importante psiquiatra alemão de princípios do Século XX, também autor de histórias para criança muito conhecidas – justamente a especialidade de sua mulher (de Cláudio), Amanda. Do outro lado da rua, morou Alzheimer, por quatro anos; tem placa lá...
                  Coincidência, sinal, presságio? Eu chamo isso de aceno do destino.


SOBRE O AUTOR:


Renato Prado Guimarães nasceu em Colina, Estado de São Paulo.
Começou a carreira profissional como jornalista, nas “Folhas” e no “O Estado de S. Paulo”; paralelamente, formou-se na Faculdade de Direito da USP, no Largo de São Francisco.Diplomata desde 1963, foi Secretário de Embaixada em Bruxelas e Bogotá, Chefe do Escritório Comercial do Brasil nos EUA, Cônsul Geral ad interim em Nova York, Ministro-Conselheiro na Embaixada em Washington e Encarregado de Negócios junto aos EUA, ad ínterim.Promovido a
Embaixador em 1987, exerceu aquela função na Venezuela, no Uruguai e na Austrália (cumulativamente, também na Nova Zelândia e em Papua-Nova Guiné). Foi igualmente Cônsul-Geral do Brasil em Frankfurt, na Alemanha, e em Tóquio, no Japão.
No Brasil, foi Chefe da Divisão de Programas de Promoção Comercial, porta-voz do Itamaraty na gestão Olavo Setúbal e Chefe do Gabinete do Ministro Abreu Sodré; fora de Brasília, foi Chefe do Escritório do Ministério das Relações Exteriores em São Paulo – ERESP, que instalou.Aposentou-se em abril de 2.008. Reside atualmente em Colina, sua terra natal, interior de São Paulo, Brasil.


É o autor de “Crônicas do Inesperado”, lançado em outubro de 2.009

Para contatos, usar o endereço de e-mail rpguimar@gmail.com
Aberto às suas opiniões, sugestões, etc...

para saber mais sobre o autor, por favor, acesse o link:
http://colinaspaulo.blogspot.com.br/2012/04/renato-prato-guimaraes-autor-colinense.html