sábado, 13 de fevereiro de 2016

Retratos de Colina, uma imagem, uma frase ou um poema (ou uma legenda) - Desafio 1



Em janeiro/2016, promovemos um desafio através da Página Colina SP do Facebook, com as seguintes regras: 

Regras: publicar apenas uma foto por dia (durante 3 dias), com legenda (local, data (se possível) e uma frase ou poema que descreva a foto ou seu sentimento ao tirá-la. Desafiar apenas uma outra pessoa por vez. As limitações são para que todos possamos aproveitar todas as fotos dos participantes, senão a coisa toda vai assumir proporções tão grandes que a gente não vai conseguir usufruir... As fotos devem ser publicadas no seu próprio perfil com a hashtag do desafio: #retratosdecolinasp


Primeiro, abrimos a sugestões para o nome do desafio. A Marcela Jorge Drubi sugeriu Retratos de Colina e o Valdemar Vello complementou: uma imagem, uma frase (ou um poema) e as demais foram incluídas como sugestões para fotos. No decorrer do desafio, as pessoas colocaram também legendas nas fotos, o que levou o Valdemar Vello a escrever numa das fotos: "Um achado que se revelou nesse desafio foi o resgate do texto. Da palavra escrita! União perfeita de imagem e depoimento. Belezura pura".

Realmente, o desafio trouxe muitas e ótimas surpresas, tanto nos textos como nas fotos. Revelações. Fotos inéditas. Personagens e personalidades da cidade. A adesão também é grande (o desafio ainda está correndo). 

Vamos publicar aqui, mais ou menos pela ordem em que o desafio começou e se propagou. A primeira foto/poema foi publicada no Facebook em 29/janeiro/2016. 

Valdemar Vello: 


Bagagem & Passagem

SONHO E SUOR /
ESPERANÇA E AMOR /
BELA COLINA!
*******
BAGAGEM CHEGOU /
COM SONHO, RIQUEZA E /
MUITO CARINHO
*******
BAGAGEM LEVOU /
SONHO E ESPERANÇA /
NO TREM DA VIDA

Estação Ferroviária de Colina, julho de 2008

Colina num trem de haikais

MUITO TRABALHO /
COM ENGENHO E ARTE /
DA BRAVA GENTE!
*******
SOBRE OS TRILHOS /
A RIQUEZA DO CAFÉ /
SEGUIU VIAGEM!
*******
DE SANTOS PARTIU /
O PRODUTO DA TERRA /
MUNDO AFORA!

Estação Ferroviária de Colina, 2008.

À luz do Saber

BRILHO NOS OLHOS /
MUITA PAZ NO CORAÇÃO /
LUZ NA ESTAÇÃO!
*******
UM NOVO RUMO /
DEMARCA A GERAÇÃO /
DOUTORES VIRÃO!
*******
AQUI NASCERAM /
BATE A SAUDADE E /
AQUI VOLTARÃO!

Estação Ferroviária de Colina, 2008.



Os participantes se empolgaram com o desafio e passaram a publicar fotos extras, como estas do Valdemar Vello: 


Fábio Toledo Vello & Vardê

ALÔ MAMÃE... /
VOU MANDAR WHATSAPP /
...A PILHA PIFOU
Telephone de Antonio Benedito Paro, Monte Belo, 2008

Renata Paro:

Fui desafiada pelo amigo Valdemar Vello a postar por três dias fotos com o tema retratos de Colina SP. Agora desafio o Jose Angelo Carminati a fazer o mesmo.

Essa foto foi tirada hoje dia 30/01/16 do Sr. Paulo Moura da Silva,mais conhecido como CABRITEIRO OU CIGANO,no Parque Débora Paro em Colina, um trabalhador que nestes tempos difíceis ainda sobrevive de pequenos carretos com sua carroça e seu companheiro de trabalho, que no caso, vem a ser o cavalo. Esse capim serve de alimento para seus animais.Além dele existem outros na nossa cidade vivendo desse mesmo trabalho honesto e penoso.


Segundo dia do desafio ‪#‎retratosdecolinasp‬ que meu amigo Valdemar Vello me fez.


Hoje é a vez de Sueli Aparecida de Souza Leite, mais conhecida por Sueli Sorveteira, há 10 anos, com sua alegria e simpatia, conquista a todos vendendo sorvetes pelas ruas da cidade de Colina SP para sustentar seus 3 filhos. Morou na fazenda, trabalhou na roça, não teve oportunidade de estudar mas nem por isso perdeu a garra e a determinação.Exemplo de mulher guerreira ,trabalhadeira e prova de que quando a gente tem vontade e gente cria a oportunidade.Parabéns Sueli. Fotos tiradas em 2014 em frente ao SAAEC.



Hoje o terceiro e último dia do desafio ‪#‎retradosdecolinasp‬ feito pelo meu amigo Valdemar Vello. Escolhi a Ponte Alice Dias para representar meu canto preferido de Colina SP por achar que é um dos cartões postais de nossa cidade e acho que a única passarela no Brasil (não querendo ser pretensiosa rsrsrs) mais charmosa e bonita, talvez nem exista outra igual a essa, e para deixá-la mais bonita neste dia o arco-iris estava enfeitando-a. Essa foto foi tirada dia 24/01/16.



Aqui, o desafio feito à Renata Paro se completou: 

Renata Paro - foto extra

Quem se lembra do Sr Pedro Jardineiro (José Pedro Esperidião)? Trabalhou como jardineiro na praça Dona Inácia de Toledo (centro) por 36 anos (1967 à 2006) só parou suas atividades quando aposentou. Cuidava com muito zelo e dedicação da nossa praça central. Viúvo, foi casado por 60 anos e é pai de 4 filhos que sustentou com seu trabalho muito digno e honesto

A meninada dava muito trabalho para ele, pois era ele descuidar um minuto e pronto, já tinha um pulando na fonte ou andando no gramado, que era proibido.

Sr. Pedro lembra de quando tinha som na praça que saia dos auto-falantes do alto do coreto. Das mulheres dando voltas em volta da fonte. As mulheres de um lado e os homens do outro lado. Tempos bons. (por Renata Paro) #‎retratosdecolinasp‬



Jose Angelo Carminati:


Fui desafiado pela amiga Renata Paro a postar por três dias fotos com o tema Retratos de Colina SP, Aceito e desafio a Hélia Marta Filomeno Ikuma hashtag a fazer o mesmo.

Cidão Jardineiro como é conhecido, trabalha na usina, e nas horas de folga trabalha como Jardineiro. Sempre que alguém o chama, junta-se a sua Brasilia e sai atendendo os muitos pedidos de seus diversos fregueses pela cidade, deixando seus jardins mais bonitos.




2º dia do desafio Retratos de Colina SP.

Tristeza é o apelido Dele, mas se existe uma palavra que não faz parte do seu vocabulário é a palavra tristeza.

Vive o seu dia a dia Sorrindo, Alegre, Feliz e o mais importante: agradecendo a Deus por ter lhe dado a oportunidade de ter essa simples carroça que com o que recebe de seus fretes consegue levar o sustento para sua família..

Parabéns "Tristeza", que Deus continue te iluminando.



Que pena; 3º e ultimo dia do desafio Retratos de Colina SP. Gostaria de agradecer a Renata Paro por ter me desafiado e ao Colina SP por não ter medido esforços para que esse desafio também fosse mais um sucesso.

Hoje queria dedicar a homenagem à um grande amigo.

Bim é o apelido dele.

Bim dá duro a semana inteira trabalhando como servente de pedreiro, por outro lado não vê a hora de chegar os finais de semana para colocar seus brincos, seus colares, suas pulseiras, e principalmente seus anéis que faz questão de mostrar.

Depois de tudo pronto sai pelas ruas da cidade dando um "rolê" e visitando os bares que gosta de frequentar degustando suas "biritas". Parabéns Amigo Bim !




Daí pra frente, o Jose Angelo Carminati passou a usar e abusar da hashtag #retratosdecolinasp e publicou várias fotos, todas merecedoras, que serão utilizadas em postagens do Carnaval e do Parque Débora Paro. 


Helia Marta Filomeno Ikuma:

PRIMEIRO DIA DO DESAFIO
Maria Helena conhecida como Babalu. Pessoa popular em Colina. Pedinte por profissão e opção. Ótima pessoa e de uma memória espetacular. Conhece a todos e sabe da vida de todos. Sob as lentes de minha filha Maristela Ikuma

SEGUNDO DIA DO DESAFIO 
Escolhi o Armênio 80 anos um senhor já encurvado pelo tempo. Uma figura pública conhecido por muitos. Sempre presente nos eventos de nossa cidade. Participativo de nossas quermesses ( o primeiro a chegar ). Colecionador de rádios e guarda chuvas velhos . No presente momento anda meio adoentado. Foto sob as lentes de Maristela Ikuma

TERCEIRO DIA DO DESAFIO
Escolhi está piolhinho por ser uma mulher que ama Colina. É a favor de tudo o que é certo. Desce o cacete onde tem desonestidade. Não tem medo de nada. Não tem parada. Está em todos os acontecimentos. Honesta, batalhadora, falante...Quem frequentou o bar dela sabe de quem estou falando. Gosto muito da Samira Zanolla Zeitum... COLINA É UM CIRCO, INFORMA... É minha amiga de coração. O ditado mais popular que sai de sua boca é "eu mato a cobra e mostro o pau".
Está aí meu último desafio José Jose Angelo Carminati e Colina SP.
‪#‎retratosdecolinasp‬# peninha que acabou...



Fotos extras da Hélia: 
UMA HOMENAGEM QUE QUERIA FAZER PELO TRABALHO ÁRDUO, É PARA OS GARIS 
Escolhi duas garis que passam pela minha rua. Encantadoras, porém envergonhadas . Batalhadoras e caprichosas. De sol a sol na labuta, elas continuam a luta. 
Parabéns e obrigada Telma Aparecida Frizone e Maria Cristina Silva



Capela Nossa Senhora Aparecida do Bairro Patrimônio sob as lentes de Maristela Ikuma!

Todo ano dia 12 de outubro se faz uma procissão saindo da Matriz e indo até à frente da capela onde se realiza a Missa Campal em Homenagem a Nossa Mãe e Rainha. Ainda existem as quermesses que foi iniciada pelo Pe José nos anos 54 mais ou menos.

Na época quem cuidava da Igreja era o Sr Ludovico (ainda procuro uma foto dele). 

Agora, há mais de 30 anos, está aos cuidados da família Sebastião Leite e da família de Evandro Dias.

A única coisa que falta é o carinho da Prefeitura para cuidar da praça com um jardineiro o dia todo.

Prof Renato Molleiro:


Fui desafiado por Colina SP e desafio Maria Rita Molleiro a publicar fotos obedecendo as seguintes Regras: "publicar apenas uma foto por dia (durante 3 dias), com legenda (local e data se possível) e uma frase ou poema que descreva a foto ou seu sentimento ao tirá-la. Desafiar apenas uma outra pessoa por vez. As fotos devem ser publicadas no seu próprio perfil com a hashtag do desafio: ‪#‎retratosdecolinasp‬".Do fundo do baú, segue a imagem de Ângelo Zardini (o da direita na foto) ao lado de um companheiro, também combatente na Segunda Guerra Mundial, conflito militar global que durou de 1939 a 1945, envolvendo a maioria das nações do Planeta Terra. "Angelo Zardine nasceu em 05 de Dezembro de 1917, na Fazenda Uriage, em Colina, seus pais Artur Zardine e seus filhos: Vera Lucia, Carmem Lucia e Rosangela.
Foi convocado no dia 02 de junho de 1942, desembarcou em Nápoles, na Itália no dia 06 de junho de 1944. Tomou parte nas batalhas Sobreassasso, Monte Castinio, Torino Fornese, Montese e Monte Castelo. Na batalha de Fornese, participou da operação que aprisionou 17.000 alemães, ficando 96 horas sem dormir, fazendo a escolta dos prisioneiros.
Por atos de bravura em combate, foi promovido a Cabo e a Terceiro Sargento, seus comandantes foram o Primeiro Tenente Ari Migueis e o Primeiro Tenente Wilson Almeida Fontes .
O Ex combatente, Âgelo Zardini, permaneceu 1 ano e 16 dias na Itália, chegando no Rio de Janeiro em 18 de Julho de 1945, sua chegada em Colina se deu no dia 22 de Agosto de 1945, sendo recebido intusiasticamente pela população" (colinasp.blogspot.com/2011/05/militares-angelo-zardine.html). Complementando estas informações, a mãe de Angelo Zardine chamava-se Angela Piai. Ao reproduzir esta imagem, veio-me à memória a lembrança de minha avó materna, Maria Marson Piai, tia do Angelo Zardine que ao rememorar esta passagem, cantava uma canção que envolvia laços de ternura entre as italianas e os soldados brasileiros...: "Brasiliano, ti voglio tanto bene, siamo partiti insieme, lasciare a te non è possibile..." Não sei dizer onde esta imagem foi registrada e se foi antes da partida ou após a chegada. Chamo aqui a família Zardini para complementar estas informações e apontar quem é o Angelo e quem é o companheiro.

Obs: a família Zardini atendeu ao chamado, corrigindo o sobrenome de Zardine para Zardini e esclarecendo que o Angelo é o da direita na foto: 

Maria Regina Zardini Gidaro: Nosso tio Angelin, como era conhecido, foi um grande herói para todos nós. .. até seus últimos dias, ele costumava contar suas desventuras nos campos de batalha e chorava copiosamente lembrando-se das atrocidades... era um homem honrado e carinhoso. Deus o tenha...


Renato Molleiro
Compartilha conosco as histórias que ele contava,Maria Regina Zardini Gidaro. As desventuras, as atrocidades e tudo mais que ele verbalizou. Será uma forma de imortalizá-lo mais do que para nós já é. A história morre com as pessoas caso não seja registrada. Somente vocês, os familiares mais próximos que tiveram o privilégio de o ouvir e o assistir em pranto diante das lembranças, poderão eternizá-lo através da escrita.
Maria Regina Zardini Gidaro: Ah outra coisa. .. o sobrenome dele é Zardini. .. obrigada pela homenagem. ..



Renato Molleiro, conforme prometido... Na primeira foto, tio Angelin segurando sua medalha de ouro de honra ao mérito, eu e meu pai, Luiz Zardini no seu melhor humor... Na segunda, meu tio e eu... Orgulho de toda família... Obrigada pela oportunidade de apresentar um pouco mais da nossa história... Fotos tiradas em julho de 1.999.



Neste segundo dia publico a visão panorâmica da região central de Colina, registrada neste dia 03/02/16 às 13.00 horas, vista da sacada de acesso a um compartimento de minha morada. Veio-me a mente a infinidade de pessoas que colaboraram para edificar todas estas construções, todo cuidado para que estas árvores crescessem... Logo ali à direita, focalizei a Pensão da Tia Guará. Rememorei o tempo em que ali se alojaram muitos dos meus professores nos anos sessenta e setenta...Luci Calmom de Albuquerque, Olinda Stéfani, Eliani Magaline, Luci Barbeiro Morales, Marta Azevedo, ... Mais recente, lembrei-me da minha esposa Sílvia Bernardes Molleiro, do nosso primeiro beijo lá naquele portão... Lembrei-me da Tia Neta, e da Tia Ceci, tão carinhosa com todos, inclusive com a Silvinha e comigo. Enfim, concluo que é muito bom viver aqui.


Neste ponto, o Prof Renato faz uma pausa no desafio e publica fotos e um texto que também fazem parte de Retratos de Colina, a pensão da D. Guará:



Em homenagem à Professora Maria Zelia Oliver que assim se manifestou "Também fui hóspede de dona Guará por um ano, sempre digo que foi o ano em que vivi melhor : ambiente de paz, comida deliciosa,cuidados e gentilezas por parte dela e de dona Neta.....guardo carinho e saudade dessa convivência. Aí está uma parte boa de minha vida", em comentário no Desafio Retratos de Colina por mim postado, onde publico uma imagem da Pensão da Tia Guará, hoje residência de sua sobrinha e família, Augusta Jorge, anexo outras imagens deste espaço como dedicatória a todos os mestres que ali se alojaram, em especial, neste momento, à digníssima professora Maria Zélia que, embora não tenha eu a felicidade de também ter sido seu pupilo direto, aprendi a admirar e respeitar pelo bem querer que meus irmãos Carlos, Eugênio e Maria, seus alunos sempre nutriram por ela. Pelo carinho e saudade que guardas da convivência de boa parte de sua vida, segue outras imagens recém tiradas em sua homenagem por aqui também ter deixado tanto bem querer.


Aproveitamos para encaixar aqui esta foto da Renata Paro que mostra a D. Neta na varanda da casa





Continuando o desafio do Prof Renato Molleiro: 


Finalizando o desafio Retratos de Colina, proposto por Colina SP, publico a imagem destas saudosas e amáveis criaturas, Dana Aracinda e Sr. Bolis Petrusanis... "Na escola Normal de Pirassununga SP, Aracinda formou-se professora aos 16 anos de idade. Na Escola Agrícola de Espírito Santo do Pinhal SP, formou-se Professora Agrícola em primeiro lugar dentre os formandos. Quando ainda estudante agrícola, visitou Poços de Caldas a convite da Prefeitura local e em uma filial do Cassino da Urca, naquele local, teve a oportunidade de conhecer Carmem Miranda. Naquela noite, foi convidada a cantar e interpretou as seguintes composições: "Quem sabe", de Carlos Gomes e "Contos dos Bosques de Viena". Foi muito aplaudida e sempre se lembrava deste acontecimento. Exerceu o magistério por mais de trinta anos exercendo também o ofício de artista amadora (Atriz de teatro e cantora). Foi vereadora eleita nos anos 50 e fazia-se Verônica nas procissões de encontro mãe e filho, nas Semanas Santas. Era casada com Bolis Petrusanis com quem teve quatro filhos" , conforme publicação de Syria Drubi - Colina, Capital Nacional do Cavalo. Tive o prazer de conhecê-los e tê-los como amigos. Esta imagem, corresponde à visita que nos fizeram em junho de 1996, após o nascimento de meu filho Renatinho que também teve uma grande honra : estar em seus braços. Eterna saudade. Obedecendo as regras deste desafio, desafio a Professora Daula Daher, a quem igualmente nutro estima e distinta consideração a fazer o mesmo.




Foto extra do Prof Renato Molleiro: 


Conforme desafio RETRATOS DE COLINA, proposto por Colina SP, publico uma imagem de D. Belmira Piai Molleiro (92 anos - 26/11/1923), analisando dois tijolos extraídos dos alicerces da velha morada dos Piais, construída em meados de 1920, residência esta onde ela morou quando criança na companhia dos avós, tios, tias e primos. Ao fazer este registro, imaginei as histórias que ela (D. Belmira) e eles (os tijolos) tem para nos contar... D. Belmira comentou " Estes tijolos não precisam de cimento. Colocados uns sobre os outros, as paredes param de pé". Após terem tomado um bom banho e antes de estarem sobre a mesa da cozinha no Sítio São Carlos para serem por ela apreciados, com uma régua os medi: 27 X 13,6 X 6,2 cm. Conforme as normas adiante publicadas, desafio a Maria Dalila Prado Silveira a somar em sua página, outros RETRATOS de nossa querida COLINA. 



Os tijolos da foto foram retirados desta casa, pertencente aos Piai - Fazenda Uriage



e a família Piai na frente da casa:


Maria Rita Molleiro:


Fui desafiada pelo meu primo Renato e desafio Rosane a publicar fotos.
A foto que publico tem perto de 50 anos. É de um senhor nascido em Portugal mas com muito mais anos de Brasil. Foi aqui que lutou e foi para cá que trouxe a família. Trabalhou na região abrindo caminhos para a ferrovia que ainda estava sendo construída. Foi colono na fazenda Mandaguari onde fez muitos amigos. Esse senhor é meu avô, José D'Oliveira Molleiro. Aqui criou os 5 filhos sendo meu pai o segundo e o primeiro a nascer aqui. Na foto aparece minha tia mais velha, Maria Molleiro Rama e, a cabecinha descabelada que aparece no canto direito, é a minha! Estamos na chácara, se vê a porta da cozinha e um dos vários cães que meu avô teve, provavelmente o Duque! Nesse tempo eu era muitíssimo feliz e sabia!


Fui desafiada pelo meu primo Renato e desafio Antonio Costa a publicar fotos. 

(2ª foto) A foto de hoje tem 9 anos, mostra um bonito horizonte do alto do sítio São Carlos e a indústria Cutrale que trouxe muitas coisas para o município e munícipes. Algumas não muito boas... 

É da minha última visita a Colina. Saudade, muita saudade.



Neste ponto, o Prof Renato Molleiro, desafiante neste caso, achou oportuno fazer um esclarecimento: 


Colina SP, consideremos os detalhes da publicação de Maria Rita Molleiro no Desafio Retratos de Colina: ...."a indústria Cutrale trouxe muitas coisas para o município e munícipes. Algumas não muito boas..." Quanto às coisas boas, atesto que os anos oitenta e noventa foram os "Anos Dourados" do Município de Colina pois houve muito progresso tanto na Zona Rural como na Zona Urbana em decorrência das divisas geradas pela citricultura. Quanto as coisas "não muito boas", digo eu,foram verdadeiramente péssimas dado ao fato de que as políticas agrícolas não favoreceram a perpetuação daqueles anos em que a citricultura caracterizava nossa região como a Califórnia Brasileira. Os altos custos da produção e baixos preços da caixa de laranjas, nos levou à erradicação dos pomares... Em 2007, como atesta a fotografia da internauta, no horizonte não se vê um único pé de laranja. Apenas cana-de-açúcar... Além disso, desde a instalação da Cutrale em Colina (1980), o Corrego Turvinho nunca mais foi o mesmo. Os dejetos da industria, embora tratados, não permitia e continuam não permitindo a proliferação da fauna aquática. Não há peixes nas águas do rio. Anfíbios que eram presentes e abundantes em suas margens, hoje são raros e raquíticos. O que era bom se foi (os laranjais) e o que é péssimo (a poluição) ficou. O Córrego Turvinho Poluído. Obs: A Cutrale continua Ativa produzindo suco a partir de sua própria produção.



Fui desafiada pelo meu primo Renato e desafio Rosane a publicar fotos - (3ª foto) A foto de hoje é de 1943! O mundo vivia a segunda grande guerra.É o que diz a data anotada atrás com números escritos pelo meu pai. Desculpem o estado de conservação da foto, imagino que ela tenha ficado exposta por algum tempo até meu pai, Manoel Molleiro apoderar-se dela. Se não me engano nela aparece meu tio, Antonio Rama, esposo de minha tia Maria M. Rama, excelente mecânico aí no município de Colina, tendo inclusive introduzido meu tio mais novo Nelson Molleiro, nesse ofício. Corrijam-me os primos se eu estiver enganada. Me parece que foi um dos pioneiros na instalação de motores a gasogênio aí no município. Saudade desse povo todo!



A desafiada pela Maria Rita foi sua prima, Rosane Poliselli Abrão, que publicou apenas um dia (e sobre o Sr. Rama, seu avô, mostrado na foto do 3º dia da Maria Rita, acima): 

Fui desafiada e desafio Sonia Campase a publicar fotos.
Antonio Rama, por muitos anos funcionário da FORD no Brasil onde naquela época patenteou o gasogênio e recebeu uma medalha pelo feito. 
Fica o nosso carinho a este homem (e avô) admirável!!!

Assim, Maria Rita Molleiro completou o desafio Retratos de Colina: 




O desafio continua e estaremos publicando as demais fotos oportunamente...