sexta-feira, 20 de maio de 2011

Colinenses no. 17 - Insegurança auditiva - crônica do Emb Renato Prado Guimarães





Insegurança auditiva
      

                       Gerou muito alarido (ou contra-alarido...) a Colinenses no. 7, sobre os “Sons de Colina” – até porque, por mera coincidência, veio na cola de um inspirado e justificado protesto no “O Colinense” a propósito da “poluição sonora” de Colina.

                       Quem sabe o Paçoca devesse aproveitar a onda e pôr um anúncio discreto num dos incontáveis arautos cacofônicos que perambulam por nossa urbe. Bem baixinho, em pronúncia de sedução, voz feminina, quase ciciada, como aquela de aeroporto de antigamente, o anúncio poderia dizer:

                              “Falando macio, para não ferir seus ouvidos,
                               macio como suas botinas, a Sapataria Fera
                               convida você para conhecer suas novas
                               instalações, à Rua Sete, .... Sapataria Fera,
                               falando macio, como suas botinas, para não
                               machucar o ouvido de ninguém. Macio, macio –
                               macio que nem Paçoca. Sapataria Fera!”.

                     Quem não sabe que quando a gente fala baixo os outros prestam mais atenção?

                      Já me alertaram para o desvario que será a campanha eleitoral, com tanto engenho peripatético tonitruando candidaturas e partidos, competindo nas frequências mais potentes, sem pena dos ouvidos a seu alcance.

                     Pelo que ouvi do repúdio geral, consensual, à violência sonora nas ruas de Colina, eu, se fosse candidato, escolheria a mudez; nada mais eficiente do que o silêncio significativo.

                      Ou até pensaria num anúncio político assim, em volume sóbrio, dicção moderada:

                                 “Este anúncio é do Candidato Fulano. Para          

                                  não machucar seus ouvidos, o candidato doa  
                                  um momento de silêncio para o alívio de seus
                                  eleitores (segue a pausa misericordiosa). 

                                  Votem no Candidato Fulano, que respeita 
                                  seus ouvidos e para vocês será sempre todo 
                                  ouvidos - com a atenção e o carinho que bem 
                                  merecem. Viva a tranquilidade, viva o 
                                  silêncio! Viva Colina!”.

                       Nenhuma dúvida cabe de que Colina vive em estado de insegurança auditiva. A ponto de que me disseram que há gente querendo comprar um decibelímetro para a cidade. De-ci-be-lí-me-tro? Fui ao dicionário e vi que é a mesma coisa que sonômetro. Sonômetro? Equivale, segundo o Houaiss, a audiômetro. O que quer que seja, essa geringonça métrica e acústica, que venha e nos proteja!

                       Amém.