terça-feira, 20 de março de 2012

Fazenda São José – Seringais em Colina/SP

do blog: Pé na Roça
Desta vez fomos até a fazenda São José, em Colina, para conversar sobre o cultivo dessa árvore nativa do Brasil que está em ótima fase no estado de São Paulo, no Brasil e no mundo.

Vídeo do Programa

link da reportagem:
No Caminhos da Roça dessa semana você vai conferir entrevista e uma reportagem sobre uma cultura muito rica no Brasil, a seringueira. A engenheira agrônoma Elaine Gonçalves fala sobre o mercado e seu Felício, de como funciona o cultivo.

Bastidores do Caminhos da Roça 05/11

Fazenda São José, em Colina
 Sede da Fazenda São José
Marcelo de Felício, engenheiro agrônomo e dono da fazenda
com Fernanda Mitzakoff, reporter da EPTV

 



 O cinegrafista Cláudio Oliveira se preparando para a gravação






Elaine Gonçalves, especialista em melhoramento genético de plantas, trabalha na Agência Paulista de Tecnologia dos Agronegócios e Fernanda Mitzakoff, repórter





Marcelo falou sobre os cuidados, o tipo de manejo e de um dos maiores problemas (e as possíveis soluções) que os produtores enfrentam: o vento! As árvores demoram muito pra crescer e se desenvolver e em média 7, 8 anos para começar a ’sangrar’ o látex e dar lucro. Como o investimento é alto, tem os gastos e a espera, o produtor tem que pensar bem e ter essa ‘reserva financeira’ para começar o negócio e poder dar continuidade. Já Elaine, que também falou de mercado, fez uma breve comparação e ressaltou as diferenças entre o primeiro Ciclo da Borracha no Brasil (que era totalmente extrativista na Amazônia) e a atual realidade.

O Brasil produz 1/3 de toda a borracaha que consome, por isso é obrigado a importar. Aí a gente pergunta: mas se no Brasil tem espaço de sobra, só o estado de São Paulo já é responsável por 60% da produção do país, e se há pesquisas para melhorar as espécies e reduzir o tempo de início de produção da seringueira, por que isso ainda acontece? Porque é caro e falta incentivo! Essa foi a resposta, agora o que a gente espera é que a situação só melhore, que os investimentos cresçam nesta área e o Brasil, supere as barreiras que existem para que além de suprir a demanda interna, possa também atender ao mercado internacional, movimentando ainda mais a economia do país!