domingo, 5 de fevereiro de 2012

Carlos Alberto Ribeiro, talento colinense na pintura

Carlos Alberto Ribeiro - D'Solrac:

CARLOS ALBERTO RIBEIRO - D´Solrac - nasci na Usina Lambari em 1941 e fui batizado em Colina. Sou filho de Felipe Ribeiro, torneiro mecânico e gerente da Usina Lambari que, em 1951, se mudou de Bebedouro para Colina, onde foi torneiro mecânico no Décio Camolesi e na Oficina Irmãos Milani. Meu Pai, é filho de Alberto Ribeiro, e irmão de Natividade Ribeiro e Lucilia de Jesus Ribeiro, (a da foto postada abaixo). Saí de Colina com 18 anos, trabalhei na Rádio Barretos durante um ano e vim para São Paulo em 1961. Meus pais faleceram em 1986 e depois disso voltei a Colina poucas vezes... infelizmente. Quando criança queria ser um tipo Froner ou João Passos, mas, aos treze anos, tive uma semana de pintura com a Edna do Zico, e não deu outra... continuo trabalhando e brincando com imagens.

famosa Usina Lambari, entre Bebedouro e Colina,
pela estrada velha
da esquerda para a direita, dando volta à mesa: Maria dos Anjos, Donini, Josefa Ribeiro, Lucília de Jesus Ribeiro, Manuela Simões, Alberto Ribeiro, Claudinha, Maria Helena Ribeiro e Maria Helena, irmã do Fred

Lucília de Jesus Ribeiro, 1970


José Rodrigues Simões, Carlos Alberto Ribeiro
e Marcos Martins Tristão - 1957/1958 - Studio Froner



Minha mãe, Josefa, eu, tia Natividade, Humberto, Dinho, André Mussato, minha irmã Maria Helena e meu Avô Alberto Ribeiro em Colina em 1963.

Feliz dia das Mães, todos os dias e para sempre!!! Essa tela pintei para a mãe da minha mãe...

Rei Pelé e Carlos Alberto Ribeiro

Pintando na Serra da Cantareira

D´Solrac - Carlos Alberto Ribeiro, nascido em Colina, Estado de São Paulo, demonstrou tendência às artes plásticas prematuramente. Seu pensamento é que a arte, não é conseqüência de pura imitação e sim o resultado de reflexão e observação de tudo à sua volta.
D´Solrac sente necessidade de transmitir em suas telas a alegria e o calor do país onde nasceu. Sua arte é uma corrente cujos elos são absolutamente unidos, formando um todo harmonioso que é o resultado de todos esses anos dedicados a pintura. Suas telas encontram-se hoje em acervos públicos e particulares em diversos países. Participou de salões oficiais e representou o Brasil no Japão, na realização do evento “ Osaka-Inter People Festival
A respeito da obra de Carlos Alberto Ribeiro, diz Oscar D’Ambrosio, jornalista, mestre em Artes pelo Instituto de Artes da UNESP e que integra a Associação Internacional de Críticos de Arte (AICA-Seção Brasil): Nascido em Colina, interior do Estado de São Paulo, suas pinturas se caracterizam pela capacidade de criar realidades pictóricas em que a cor e a luz são utilizadas de maneira a nunca permitir a estaticidade de suas imagens. Isso significa o domínio de recursos pictóricos em que o movimento se faça presente ou, pelo menos sugerido. D’Solrac, como apontava Shakespeare, vale-se da luz como um dos elementos a descortinar o mundo. Capaz de pintar as mais variadas temáticas, como carnaval, carros de competição, esportes como futebol e surf, cenas de folclore, paisagens e retratos, D’Solrac cria atmosferas marcadas por uma estética que combina a luz e o uso da cor para a construção de massas de tinta compactas e equilibradas. É justamente na capacidade de criar o dinamismo em suas telas que o seu trabalho se destaca. Assim, as imagens de carnaval que estabelece no universo de sua pintura ganham mais vida e a riqueza de interpretações de cada imagem se multiplica.
Filhos de Colina (Filhos do Dr. Adilson)

CARNAVAL - HOMENAGEM A JEAN MICHEL JARRÉ - 60 ANOS
ACRÍLICA S/TELA - TAM. 60 X 80
Quadro pintado por ocasião dos 60 anos de Jean Michel Jarré, circulou por vários espaços culturais durante as homenagens a ele feitas por Marcio Nogueira Barbosa (UNESCO)
Serra Pelada 02

Serra Pelada
Futebol Brasil e Itália
 Camisa 10
 
Feira Internacional do Esporte
Jangadeiros
Carnaval

Capoeira

Olinda

Carlos Alberto Ribeiro, também deu uma passadinha pelo lado cinematográfico.
Em 1972 foi convidado por um francês, amigo dele, Roberto Saul, para participar como ator de um filme de arte (curta metragem em Super Oito), onde eu teria que representar 7 personagens, desde o homem primitivo até o homem contemporâneo... O concurso era para amadores e profissionais... Título do filme: CONVERGÊNCIA. Sala de apresentações: Teatro Paiol. Resumindo, o filme pegou o segundo prêmio e eu o melhor ator do festival. Aí veio a ideia do segundo filme: BLOQUEIO, O PRIMEIRO LONGA METRAGEM EM
SUPER OITO um filme não voltado para concurso e sim por idealismo do cineasta Roberto Saul, mas que foi apresentado com muito interesse em faculdades daqui e da França
Para ver mais da obra de Carlos Alberto Ribeiro, acesse: http://dsolrac51.ning.com/photo