sexta-feira, 10 de agosto de 2012

Hideo, o nosso eterno maestro



1987 - Banda Musical Dr. Oscar de Góes Conrado
primeira apresentação
Antônio Hideo Ikuma - Vice Presidente
1a. fila, da direita para a esquerda, o segundo é o
Hideo...


 Concurso Hino Municipal 
De pé, da esquerda para a direita: Hideo Ikuma (músico), Nadir Abdalla (Zico), Jefferson Joel de Carvalho (Maestro), Luiz Fachina (músico). 
Sentados: Inah Cabral (escritora), Eugênio Donini Junior ( professor), Ana Maria Paro ( Professora) e Vagner Meira Cotrim (Secretaria Mun. Educação e Cultura)


 


A nossa amizade foi como uma história de amor, contada

  Hideo, o nosso eterno maestro

A nossa amizade foi como uma história de amor, contada ao longo dos anos, mais precisamente 17 anos, cujo encanto residia nos detalhes que o tempo nunca rasgará, que as estações nunca levarão e a vida nunca separará, mesmo você tendo partido tão rápido, tão inesperado, deixando não só a mim, mas a todos que conviveram com você, um vazio que nunca será preenchido, pois você era único com seu jeito simples, mas sábio, de poucas palavras, mas quando falava, sabia exatamente o que falar e como falar.

Você sempre foi aquele amigo que nunca pensou em receber, mas sim em dar. Quando nos chamava a atenção não era para magoar, mas para nos ensinar a crescer como pessoa, como ser humano e o mais importante, com Deus no coração, pois você era um homem de muita fé, sempre fez tudo com muito amor e nos tratou sempre com muito amor, por isso está sendo muito difícil essa separação, mas sei que você, de onde estiver, estará sempre olhando por nós e nos acompanhando musicalmente, pois a música era sua vida e você compartilhou isso conosco, pois você sabia cada acorde, cada som, cada harmonia para cada um de nós, até o tom de cada um você sabia.

Era muito fácil cantar com você, pois você nos dava o caminho no momento em que posicionava suas mãos sobre o teclado tocando, era só saber escutar e acompanhar. E a cada música acertada, a gente via aquele sorriso de felicidade e satisfação no seu rosto e isso motivava a continuar a acertar cada vez mais.

Hoje não vemos mais esse sorriso, mas sabemos que você, de onde estiver, certamente estará olhando e nos acompanhando com os mesmos acordes, com as mesmas melodias e isso nos dará força para continuar, pois sabemos que você estará com a gente.

Você não passou em nossas vidas por acaso, por isso temos que levantar a cabeça e continuar, pois sabemos que era isso que você gostaria que fizéssemos.

Quando, por motivo de doença, você não participava das missas ou do coral das crianças, a gente sentia aquele vazio, mas sabíamos que você retornaria. Agora é diferente, pois sempre que olharmos para o seu cantinho saberemos que você nunca mais estará lá e isso nos dá muita tristeza, mas Deus nos dará força para continuar, pois Ele sabe que tudo que fazemos, os dons que recebemos, estamos devolvendo a ele e isso a gente sempre fará, talvez não tão felizes como antes, mas certamente com muito amor. E se tivermos algum tropeço, quando tivermos vontade de chorar e não cantar, Deus nos entenderá.

Hideo, você sempre será o nosso maestro, o nosso amigo, o nosso parceiro. Em tudo que fizermos, você sempre estará presente, pois foi assim que nos acostumamos, com sua presença, não com sua ausência.

Esperamos que você esteja nos braços do Pai, com toda paz, olhando por todos nós aqui, nos iluminando e nos mostrando um caminho certo a seguir. Obrigado por você ter participado de nossas vidas e nos ter proporcionado tantos momentos de alegria, foi muito bom ter um amigo como você. Podemos dizer, sem nenhuma sombra de dúvida, que o nosso grupo foi uma grande prova de amor, amizade, respeito e cumplicidade.

Jamais te esqueceremos, pois ‘Ninguém morre enquanto permanece vivo no coração de alguém!’ Amamos você!

 CORAL ESTRELA GUIA

EMEF “Antonio Daher” – Cohab 2

CORAL IMACULADA CONCEIÇÃO

Paróquia São José de Colina


“NA HORA DE PARTIR”

Antonio Hideo Ikuma (1.950 - 2.012)

Milton Lima

   “Qual a importância da música em sua vida?

Música é uma seguida combinação de notas, cada uma significando um som e todas, em suas frases e sua melodia, construindo essa harmoniosa sensação de beleza; de paz e sensibilidade.

A música suave e harmoniosa é como uma higiene mental que alivia as tensões, tranquiliza o espírito, relaxa os nervos cansados e nos conduz à doce meditação do que há de mais belo e puro na natureza.

A música pode fazer o milagre de nos aproximar de Deus.”

Uma das maiores riquezas para se conhecer melhor as pessoas e aprender com elas é ter contato com suas histórias de vida. Essas histórias nos encantam, seduzem, atraem, fazem refletir e surpreendem. Irei tentar fazer um exercício de memória, auxiliado por alguns amigos e amigas colinenses, para que eu possa, através deste brilhante jornal, dividir com os queridos leitores, as maravilhas que o meu grande amigo Hideo nos deixou de herança. Nasceu em 24 de março de 1950 em Barretos, todavia a sua trajetória está ligada a cidade de Colina. Casou-se em 4 de setembro de 1976, com a nossa querida amiga Hélia, filha do saudoso “Zé Pacoti” e “Dona Pina”, sobre os quais é desnecessário identificar as suas qualidades, porque não caberiam adjetivos qualificativos neste espaço. O casal teve duas lindas filhas, Mirelle e Maristela, que possuem dons de igual peso, legado de seus pais. Dentro de pouco tempo, a Maristela enriquecerá a família com a chegada do Valentim, o neto primogênito.

Vida profissional: Engenheiro Civil, trabalhou na Prefeitura de Colina por 28 anos, aproximadamente. Prestou serviços em diversas obras de Colina e tenho certeza de que algumas delas sem receber honorários.

Atividades sociais, filantrópicas e religiosas

Professor de violão por quarenta anos, onde o seu local de trabalho mais importante concentrava-se nas missas realizadas na Igreja Matriz de São José. Coordenador do Coral Imaculada Conceição durante 17 anos, coordenador do Coral de crianças Estrela Guia, participou da Banda Municipal Dr. Oscar Góes Conrado, coordenou e tocou teclado na Banda JR, que se apresentava nos bares da região na década de 90, com os seguintes integrantes: Hideo, Joãozinho Zapela, Maurinho, Pelezinho e Luiz Faxina, sendo uma destas apresentações no antigo Restaurante “Água na Boca”, em Monte Azul Paulista.

Exímio violonista e tecladista, apaixonado pela música e por um som, tocou e cantou nas missas em Colina por quarenta anos. Seu legado maior, além da família, são as crianças pelas quais era muito amado, aprendendo com ele não só cantar, mas como tocar instrumentos.

Em sua despedida, este articulista emocionou-se, pois atualmente em sua vida usa um colírio artificial para formar lágrimas nos olhos. Entretanto, naquele momento, chorou de emoção não só pela perda irreparável do amigo, mas, sobretudo, quando assistiu aos componentes do Coral Estrela Guia, formado por crianças, seus alunos, cantando a música interpretada por “Buchecha”, em memória ao ex-parceiro Claudinho. Com prazer, relembrarei com vocês alguns versos desta linda canção, que era uma das suas preferidas:

“Avião sem asa, fogueira sem brasa, sou eu assim, sem você; futebol sem bola; piu-piu sem frajola, sou eu assim, sem você...

Por q ue é que tem que ser assim?

Se o meu desejo não tem fim, eu te quero a todo instante, nem mil auto-falantes vão poder falar por mim...

Amor sem beijinho, Buchecha sem Claudinho, sou eu assim sem você; circo sem palhaço, namoro sem abraço, sou eu assim sem você...

Por quê? Por quê?” E assim por diante...

Para que possamos entender um pouco do que representou e ainda representa, este diamante lapidado, diversas foram outras homenagens a este Filho de Deus, mais do que merecidas, a exemplo de uma senhora que se aproximou dos familiares, com uma linda rosa e ofereceu ao Hideo, dizendo aos presentes que ele a plantou e ajudou-a no crescimento com acompanhamento quase que diário, cena que vocês não imaginam o que significa tamanha a emoção de todos os presentes. Logo após, as crianças cantaram uma das canções de Roberto Carlos.

Para terminar, gostaria de transcrever parte de um texto, de autoria de uma amiga de canto muito íntimo, que lhe prestou na missa a qual lhe foi dedicada, por coincidência, no Dia das Mães. “Hideo -- ..... Você sempre foi aquele amigo que nunca pensou em receber, mas sim em dar. Quando nos chamava a atenção, não era para magoar, mas para nos ensinar a crescer como pessoa, como ser humano e o mais importante, com Deus no coração, pois você era um homem de muita fé, sempre fez tudo com muito amor e nos tratou sempre com muito amor.............

Você não passou em nossas vidas por acaso, por isso temos que levantar a cabeça e continuar, pois sabemos que era isso que você gostaria que fizéssemos...

Hideo, você sempre será o nosso maestro, o nosso amigo, o nosso parceiro...”

No dia anterior de sua despedida, fez aquilo que sempre gostava de fazer: participou da missa do domingo de manhã, tocando e cantando.

No dia seguinte, 7 de Maio, Colina, a Cidade “Carinho”, perdeu um dos seus cravos mais perfumados do jardim de sua existência.

Hideo, daqui em diante você estará fazendo parte da história colinense e nós, seus familiares, amigos e admiradores, estaremos sempre rezando pela sua alma, que certamente já estará com o Pai Eterno.

Em tempo: HIDEO, obrigado por você ter sido um dos meus leitores assíduos da coluna “Fazendo o Bem”, quando escrevia meus artigos neste maravilhoso jornal.

dO Colinense - edição "on line" - Postado em 08/06/2012 - Por: A Redação




ASSIM ERA O TIO HIDEO... SEMPRE FOI ASSIM...RODEADO DE CRIANÇAS.  ESSA FOTO DEFINE BEM A SUA ESSÊNCIA... SAUDADES
(Valéria Filomeno)

 da Página do Facebook da Helia Marta Filomeno Ikuma, esposa do Hideo

Saudades do meu pai

Mirelle Ikuma:

Falar sobre pai é falar de amor...
Sentir sua falta é algo inexplicável. Mas, tentarei expressar esta saudades, através dessas humildes palavras com muita dor.
Pai... Sinto falta de:
- Sua voz que me aconselhava com ternura;
- Do seu olhar sereno com doçura;
- De suas mãos me reerguerem quando eu caia;
- De seu abraço que me envolvia;
Pai, com sua proteção eu nada temia!
E seus conselhos eram para o meu bem... Pai eu estou tanta saudades!
Sem invejar, vejo as pessoas que tem pais, que muitas vezes os maltratam com gestos e palavras, não valorizando-os, então penso:
Pai daria tudo para poder novamente:
- Sua mão segurar;
- Seus miúdos olhos a me contemplar;
- Sua voz ouvir;
E ter uma nova chance de dizer: EU TE AMO!
E ser carinhosa, menos teimosa, ter tempo para conversar os seus assuntos preferidos.
Pai e Mãe... Não deveriam jamais morrer. 
Pois, quanto mais se vive é pouco para dizer: Eu te amo PAI!
Quem tem seu pai vivo, não desperdice o tempo, fale sobre o seu amor por ele HOJE... Pois, AMANHÃ pode ser tarde demais...

Homenagem ao Maestro Hideo Ikuma: Escola Antonio Daher - 9/agosto/2012 

Coral Estrela Guia



“Hideologia”

Poderia ser mais um Antônio entre tantos Antonios no mundo, mas este em particular foi músico, amigo, artista, pai, irmão, apadrinhou e assobrinhou tantos que se fez Tio Hideo. Tio, que soube como ninguém dar o exemplo de vida para seus tantos sobrinhos que cresceram sobre as asas de seus ensinamentos. Nunca quis reconhecimento algum e assim como um passarinho mesmo sem querer, dispersou sementes na terra capazes de formar uma floresta.
Hideo era simples, falava pouco, mas quando falava dizia tudo. Varias pessoas nascem com uma missão, algumas passam pela vida sem se dar conta disso, outras a realizam diariamente de forma tão natural que nem se dão conta que a estão desempenhando. Um dia Papai do Céu precisou de um músico, procurou, procurou entres os anjos que ali estavam, queria uma musica nova para o coral de querubins.  Papai do Céu então recorreu ao seu grande arquivo divino para verificar os anjos que havia enviado a terra, entre eles viu um batendo com os dedos sobre uma superfície, ao ser indagado sobre o que estava fazendo o anjo respondeu: “Estou tirando uma música”.  Papai do céu soube naquele momento que aquela seria a musica de seu coral de querubins. Havia encontrado seu musico, o maestro que como ninguém soube reger a sinfonia da vida. Por de trás do rosto deste musico havia um sorriso de criança que iluminava a todos ao seu redor quando se abria. Assim Papai do céu chamou aquele anjo que mesmo antes de ser chamado já havia tirado a melodia. Quando chegou ao céu todos estavam ansiosos para ouvir a musica preparada por ele, os querubins se organizaram em fileiras por ordem de tamanho, assim como crianças, nem todos são iguais, estavam inquietos, pois o grande maestro estava chegando, os outros anjos ainda se acomodavam quando ele chegou.  Discreto, sem muitas palavras, puxou uma cadeira, cruzou as pernas e tocou. Papai do Céu ficou tão contente que se distraiu e a musica dos anjos escapou do céu. Dizem que se a gente ficar quietinho por um minuto pode ouvi-la, é ele, seu Hideo, ensaiando os querubins no céu. Quando a saudade apertar e quisermos lembrar-se desse anjo que passou por aqui, basta ficar quietinho e ouvi-lo. Bom trabalho Tio Hideo, nós continuamos por aqui ouvindo a sua melodia ate nos encontrarmos novamente.
Vagner Cotrim 

(texto lido durante homenagem ao Maestro Hideo pelo 
Coral  Estrela Guia em 9/8/2012 na Escola Antonio Daher)

Fotos de Vanilde Cotrim Alonso:













Gabriela Cardoso Belíssimo, homenagem mais que merecida a uma pessoa tão especial e talentosa. Quem o conheceu e pode fazer parte um dia de algum coral ou aula de canto comandada pelo maestro Ideu sabe bem do que estou dizendo. Pessoa iluminada.




Celini Lopes Mirelle IkumaTia Hélia Marta Filomeno IkumaMari Ikuma Bianco. "A vida nos tira e sentimos falta, e Deus com essa falta nos ensina a valorizar o que a vida nos dá. Amo vocês.


Uma pessoa, que com poucas palavras, modéstia, humildade fez sua história e que merecidamente é contada nesse Blog.


Leandro Rosa no Facebook: Aquele que o coração falou mais alto do que as próprias palavras, nunca morrerá. Um grande beijo pra Hélia e filhas.





FEB - Fundação Educacional de Barretos - Sexta turma de Engenharia Civil - ano 1975 - T




7 de maio de 2013 - nossa homenagem no aniversário de 1 ano da morte do Hideo:
Um ano se passou. E as lembranças continuam acesas nos corações daqueles que tiveram a oportunidade de conviver com a sua humildade. O seu jeito simples de ser e de se doar deixou no coração dos colinenses uma forte e inexplicável saudade. O tempo apaga muitas coisas, mas os ensinamentos ficam marcados pois, são eternos. Deus na sua infinita misericórdia tem nos ajudado a superar esta perda através dos grandes amigos que deixou. Saudade é uma dor que não passa. Mas madre Tereza deixou uma grande mensagem a todos nós, em qualquer situação: " nada te perturbe, nada te amedronte, tudo passa, a paciência tudo alcança, a quem tem Deus nada falta, só a Palavra basta. Obrigado a todos pelo carinho e pelas lembranças. Colina SP (Tia Hélia Marta Filomeno Ikuma)...