segunda-feira, 9 de julho de 2018

Casas, casarões e suas histórias...


Texto elaborado por Maria del Rosário Barcelos, em novembro de 2013 com informações gentilmente fornecidas pelo Sr. Carlos Olyntho Junqueira Franco, (Lolô) e D. Leila Abdalla Paro


Nota: além das fotos do texto, incluímos fotos de Renata Paro, Vagner Meira Cotrim, Cesar Augusto Malpelli Salvi, Maristela Ikuma, Zezé Paro Forte, do Museu do Cavalo de Colina, Silvio Varella, Marlene Paro Caponi


 D. Leila e seu filho João Pedro Paro - 2014
Sr. Lolô Junqueira - foto Renata Paro - 2015

Colina, diferente de outras cidades, teve seu desenvolvimento urbanístico a partir do traçado da linha de trem ao invés das construções mais importantes acontecer ao redor da Praça da Matriz. O Cel. José Venâncio Dias trouxe contratou o Sr. Mastrela para demarcar a urbanização da futura cidade. Ele fez um traçado muito moderno para a época, com uma demarcação bastante clara:
Na Av. José Venâncio Dias e imediações as residências da família Junqueira, (avenida acima da estrada de ferro).
Na Av. Moacir Vizotto, as residências da família Nogueira,
Na avenida em frente à estação, Av. Angêlo Martins Tristão, antiga Av. do Café, as casas da família Marques.
O primeiro trem chegou a Colina em 9 de maio de 1909, começou a trazer o material de construção a ser usado nas primeiras casas. A fundação de Colina é considerada nesse ano.
(No livro da D. Syria Drub consta que o primeiro trem chegou em 1905. O nome do urbanista aparece como Massarela)


                           
CASAS DA FAMÍLIA JUNQUEIRA

O Sr. Antônio Junqueira Franco, foi proprietário de todo um quarteirão, da Av. José Venâncio Dias, entre a Av. Vereador Pedro Oswaldo  Basso e a Rua  Salvador Campagnon..
A esquina  em frente à ponte Alice Dias foi ocupada pela primeira prefeitura de Colina e a construção ao lado abrigou a casa bancaria do Sr.Antônio Junqueira Franco (Nico) .   Em seguida está a residência onde ele morou por algum tempo,  atualmente reside lá  o Sr. Luiz Arthur Junqueira Franco Varella.
A casa da outra esquina deste mesmo quarteirão foi construída por um madeireiro muito rico que por motivo de doença mudou para São Paulo, vendeu a casa para D. Inácia Junqueira de Toledo, posteriormente a casa pertenceu ao Sr. Antônio Junqueira Franca.  Seu filho, o Sr. Deuler Junqueira Franco, a recebeu como herança.  Infelizmente foi demolida e deu lugar ao único prédio de Colina.   A casa era tão imponente que todos a chamavam de Catete, lembrando o palácio presidencial da república no Rio de Janeiro.   Sorte semelhante teve a casa em frente que pertenceu ao irmão de D. Inácia, Cel. José Venâncio Dias, as duas casas eram parecidas formando um expressivo conjunto arquitetônico.  A casa do Cel. José Venâncio Dias foi vendida ao Sr. Carlos Oscar Vaz de Almeida que a demoliu e construiu uma casa nova, hoje pertence ao Sr. Sergio Bernardes.

Primeira Prefeitura de Colina





Casa Bancária de Antonio Junqueira Franco

A casa da outra esquina deste mesmo quarteirão foi construída por um madeireiro muito rico que, por motivo de doença, mudou para São Paulo, vendeu a casa para D. Inácia Junqueira de Toledo, posteriormente a casa pertenceu ao Sr. Antônio Junqueira Franca.  Seu filho, o Sr. Deuler Junqueira Franco, a recebeu como herança.  Infelizmente foi demolida e deu lugar ao único prédio de Colina.   A casa era tão imponente que todos a chamavam de Catete, lembrando o palácio presidencial da república no Rio de Janeiro.   Sorte semelhante teve a casa em frente que pertenceu ao irmão de D. Inácia, Cel. José Venâncio Dias, as duas casas eram parecidas formando um expressivo conjunto arquitetônico.  A casa do Cel. José Venâncio Dias foi vendida ao Sr. Carlos Oscar Vaz de Almeida que a demoliu e construiu uma casa nova, hoje pertence ao Sr. Sergio Bernardes.


Augusto Costa constriu o prédio que, posteriormente, veio a pertencer a Ignácia Junqueira Lemos de Toledo. Mais tarde este prédio serviu como sede da Adminstração Municipal (Prefeitura) e depois como Cartório. Localizava-se na esquina da Rua Internacional (hoje Rua Brigadeiro Faria Lima) com Av. Cel. José Venâncio Dias. O prédio foi demolido para a construção do Edifício Antonio Junqueira Franco.



Segunda Prefeitura (esquina da antiga Rua Internacional, atual Brigadeiro Faria Lima), década de 1940. O prédio foi demolido e deu lugar ao edificio Antonio Junqueira Franco. Esta foto é de 1960



            Residência do Sr. Luiz Arthur Junqueira Franco Varella
No Facebook - julho/2018:
Márcia Guarnieri Antes de Luiz Arthur essa residência foi de meu avô Luiz Lemos de Toledo e de meu pai João Guarnieri. Aliás residência onde eu e meu irmão nascemos.



Primeiro Prefeito de Colina- Antônio Junqueira Franco - Nico- com o governador sr. Armando Salles de Oliveira na fundação do Club Hípico - Polo em 1929.



Fotos enviadas por Silvio Varela, neto de Nico Junqueira (Antonio Junqueira  Franco)

Luiz Arthur Franco Varella Neto: eu com meu avô Nico montado no cavalo Farizeu (campeão nacional mangalarga em 1940)  - foto raríssima, pois só tinha dois aninhos  e montado em um campeão mangalarga nacional e vô Nico caçava com ele. 
Ao lado o famoso Bibelô, também campeão nacional na exposição de mangalargas em 1941, na Água Branca, em São Paulo. 
Vovô era um grande criador e um grande homem , pena , que vivi pouco ao seu lado , mas hoje sigo seus exemplos, e suas virtudes, saudades.

 Antonio Junqueira Franco (Nico Junqueira), primeiro Prefeito de Colina
23/04/1926 - 21/10/1929
13/05/1938 - 06/03/1942

Fotos enviadas por Silvio Varela, 
neto de Nico Junqueira (Antonio Junqueira  Franco)

foto de Renata Paro

 Na esquina da Av. Cel. José Venâncio Dias e a Av. Rui Barbosa está a casa da família Santos, o Sr. José dos Santos, português, madeireiro, veio em 1920 a Colina para trabalhar na Fazenda São Joaquim.  D. Genoveva, viúva do Sr. José Acácio dos Santos e nora do Sr. José dos Santos, residiu até sua morte na casa, que está muito bem conservada.





José dos Santos, natural do distrito de Penacova, Portugal... pai do Dr. Acácio.


já nos anos 30 é possível visualizar a casa da Família Santos ao fundo...

Na esquina das Ruas Salvador Campagnon e José Marques  de Oliveira está a casa onde morou o Dr. Oscar Pinheiro Barcellos, casado com D. Sebastiana Toledo de Barcelos  (Bebinha), irmã dos coronéis Junqueira.   Esta casa tinha cocheiras nos fundos onde o Dr. Barcelos deixava seus cavalos que usava para ir clinicar. Recentemente foi demolida a parte de trás da casa, até bem que a parte da frente ficou intata.   Podemos observar ainda hoje os detalhes da fachada junto ao teto e o trabalho em madeira acompanhando o beiral lateral do terraço.


 Dr. Oscar Pinheiro Barcelos (1893-1954), médico, casado com D. Bebinha Toledo, filha de Ignácia Junqueira de Toledo. Veio para Colina prestar serviços médicos quando a cidade se encontrava assolada pela gripe espanhola



Julho/2018 no Facebook:
Rosy Barcelos Meu marido, Luiz Paulo de Toledo Barcelos, filho do Dr. Oscar e D Bebinha, tem lindas lembranças dessa casa onde morou sua família

Hilda Maria Piai Atualmente nesta casa mora minha irmã Ester casada com Luiz Henrique Calim Sandrini

Hilda Maria Calin Sandrini Ganhei essa casa de presente do Odilon bem no dia do nosso casamento, 43 anos atrás, exatamente no dia 4 de outubro de 1975. Moramos nela por 11 anos, tivemos nossos 3 filhos e fomos muito felizes aí!! É uma linda casa! Amoooo!


Maria Lucia Da Silva Santos Trabalhei nessa casa quase doze anos,depois que dona Maria faleceu ainda continuei mais alguns anos com doutor Acácio e dona Veva.
Gerenciar
Naiara Abonizio Trabalhei nessa casa mais de 2 anos ♡ dona Veva assim eu chamava ela♡ quanta saudade e lembranças boas eu tive...Maria Elizabeth Palomino Bernardo Queridos vizinhos...dona Maria...saudades...filhos e netos, tão amigos. Tio Ernesto, genro do Zé dos Santos com dona Maria.....tempo bom!!!!!Na rua Salvador Campagnon, está a casa que pertenceu ao Sr. José Junqueira Franco (Juca da Onça); hoje é propriedade de seu neto o Sr. Jose Arthur Junqueira Pinto. No quarteirão de cima está a casa que foi do Sr. Mario Caldas, engenheiro, casado com D Sinira, filha de D. Genoveva Junqueira Franco que era a filha mais velha da D. Inácia Junqueira de Toledo e João Francisco Junqueira Franco (João da Onça)





 Casa do Sr. José Junqueira Franco



 Casa da D. Sinira Junqueira Caldas




Na pracinha como é conhecida, a Praça Fernando Pereira. Viana, está a casa com a arquitetura mais expressiva de Colina. Foi construída pelo Sr. Saulo Junqueira Franco em 1928, o construtor foi o Sr. Lourenço Marim  com o projeto do engenheiro Ítalo Morelli.  Morelli também construiu o Frigorífico Anglo de Barretos (o frigorífico pertenceu num início à Companhia Paulista de Estradas de Ferro).  A família do Sr. Saulo morou na casa até 1950; em leilão foi comprada pelo Dr. Euler (Dr. Leco) Junqueira Franco e hoje pertence a sua filha Débora Junqueira Franco.
O Dr. Euler era filho do Cel. Antônio Junqueira Franco e D. Sebastiana Nogueira Junqueira Franco (Taninha)...  Na parte de trás da casa foi feito um loteamento e hoje está sendo ocupado por casas muito bonitas, o local é conhecido como Jardim Taninha. 
Esta casa inicia  o conjunto das casas da família Nogueira.

Casa do Dr. Euler Junqueira Franco









                                    CASAS DA FAMÍLIA NOGUEIRA

A casa número 73 da Avenida Moacir Vizzoto pertence à família Viana,  foi construída pelo sogro do Sr. Fernando Pereira Viana,  Sr. Fuzinato Bertazi, casado com D. Ester Nogueira, filha do Cel. Luciano de Melo Nogueira.  O Cel. Luciano construiu e morou na casa subseqüente que hoje é a pensão da D. Guará.




 Cel Luciano Nogueira (da Managuary) e família

 Bodas de Ouro do Coronel Luciano Nogueira (foto na Mandaguary)



 Essa foto é do Sr. Fernando Vianna com a família dele de Batatais.
O primeiro à esquerda é o Sr. Fernando Vianna


Casa do Sr. Fernando Viana






















Cynthia Bertazzi: Rose, era a irmã mais velha do tio Fernando Vianna, se chamava Guaraciaba, e seu apelido era Guara.
 Pensão da D. Guará




A casa número 29 da mesma avenida pertence atualmente ao Sr Napoleão Jorge Filho, foi construída em 1920 pelo Sr. Arthur de Oliveira onde morou até 1925, depois foi moradia do Sr. Jaime de Melo Nogueira, filho do Cel. Luciano.

Residência do Sr. Napoleão Jorge Filho





No Facebook em 2014:
Luciano Nogueira X Agnalda Nogueira Esta casa foi do meu tio Jaime de Melo Nogueira, irmão do meu pai Mário de Melo Nogueira.

Zeza Rezende Lage Saudades dessas pessoas maravilhosas Sr.Jaime Nogueira e sua esposa D.Helena,filhos Aparecida,Cecilia, Cristina, Leninha e Luiz Antonio ele era meu Dentista


Há outras casas expressivas nesta mesma avenida pertencentes às famílias Malpelli e Vizzoto:

 Malpelli




 Vizzoto



CASAS DA FAMÍLIA MARQUES DE OLIVEIRA

A família Marques, portugueses, chegaram a Colina em 1912 para cortar o mato onde seria plantado o café, começaram a trabalhar na Fazenda Consulta do Sr. Antenor Junqueira Franco, ganharam dinheiro e posteriormente montaram uma madeireira na Av. Ângelo Martins Tristão, antiga Avenida do Café que nunca deveria ter mudado de nome porque o café impulsionou a economia da cidade de Colina quando estava no seu início.  Os Marques construíram suas residências nesta avenida, a mais expressiva está na esquina da Av. Cel. Antenor Junqueira Franco e a Av. Ângelo Tristão, hoje é propriedade do Sr.  João Alli Drubi.  Foi reformada...








Ainda nesta avenida está a casa que pertence atualmente ao Sr. Marco Martins.  Tem  detalhe do ano em que foi construída 1929.


                                                     Residência do Sr. Marco Martins





Na esquina das Av. Dr. Manoel Palomino Fernandes e a Av. Ângelo Martins Tristão está o prédio onde funcionou o antigo Hotel Brasil, construído por Lourenço Marim .  Hoje é um bar, do lado há uma sorveteria.   Passando pela rua mal da para observar a arquitetura pela presença de toldos e propagandas. 

 Já foi Hotel Central, depois Hotel Brasil, ali, bem em frente à Estação...



 Sorveteria



 







Na esquina da Av. Ângelo Martins Tristão e a Rua Alfredo de Simões de Campos Filho, temos de um lado uma construção muito especial com detalhe da data em que foi construída, 1933, e um pássaro na parte superior.  Funciona atualmente lá a loja de presentes Composé.  Do outro lado temos  a boutique Linea Brasil que antes foi o Banco Antônio de Queiros. 


 Composé antiga Casa Brasil

 Lineia Brasil antigo Banco Antonio de Queiros


Na Rua 7 de Setembro, na Praça Inácia Junqueira de Toledo está a Farmácia Santa Isabel que foi construída pelo Cel. Antônio Junqueira Franco e o Sr.  Fuzinato Bertazzi, ambos farmacêuticos e genros do Cel. Luciano de Melo Nogueira.  Pertenceu durante muito tempo ao Sr. Fioravante Caldana..  Pertenceu ao Sr. Paulo Frigoni e hoje pertence ao Sr. Fabio Pegoraro. Os armários dentro da farmácia são os mesmos da época da inauguração.


 Urbano Prado foi prefeito de Colina de 27/abril/1931 a 28/set/1932 e de 7/novembro/1932 a 23/março/1933 e proprietário da Pharmácia Santa Izabel


                                     Fioravante Caldana - "Dr. Fiori"




 Imagem de Santa Isabel que pertenceu ao Sr. Fioravante Caldana










Paulinho Frigoni, que foi proprietário da Pharmacia Santa Izabel, fez questão de manter a farmácia com suas instalações originais, preservando a história de Colina. Na foto com os funcionários da farmácia. 


No número 189 da Rua Sete de Setembro está a casa que pertenceu à família de Adibi Abdalla (Salomão Drubi), tem detalhe da data de construcão, 1914.  A família morava nos fundos e na frente estava seu armazém.


                               CASAS DA FAMÍLIA PARO

Uma das primeiras famílias de imigrantes que se estabeleceu na região de Colina foi a família Paro.  Em 1887 o Sr. Benedito Paro com sua esposa e quatro filhos saíram de Treviso, Itália, uma filha nasceu durante a viagem.  Chegados ao Brasil passaram a morar na Fazenda Albertina em Ribeirão Preto.  Quase dez anos depois Benedito adquiriu uma pequena propriedade na Fazenda Estiva no município de Colina.  Posteriormente comprou outras terras, derrubou mato e com muito trabalho formou cafezais e pastagens danado lugar à Fazenda Monte Belo.  Aqui no Brasil nasceram ainda dois filhos.  Em 1915 construiu uma escola na fazenda, tinha a preocupação de dar educação aos seus filhos e os filhos dos colonos”, contratou uma professora particular. Em abril de 1954 passou a ser Grupo Escolar, em 1962 passou-se a chamar “Grupo Escolar Benedito Paro.
No decorrer dos anos várias famílias que moravam em Monte Belo foram se transferindo a Colina construindo aqui suas casas.
No Monte Belo formou-se uma comunidade com costumes tipicamente italianos.  A população quase se equiparava à população de Colina.  Havia um armazém e a Capela de Nossa Senhora Aparecida.  Anualmente, em frente à igreja, realizava-se uma quermesse típica que atraia muita gente de Colina e região.  Durante o ano todo havia muitos bailes à moda italiana movidos a sanfona.

Esta casa na Av. Rui Barbosa que pertenceu ao Sr. Armando Paro foi construída pelo Dr. Ítalo Morelli para um comprador de café, Sr. Pereira Lima que quebrou na crise de 1929 quando o  Sr. Daher Abrão a comprou., o  Sr. Daher Abrão mudou-se para São Paulo.  Lá  funcionou após a partida da família Daher o Grêmio Cultural de Colina.  Posteriormente foi comprada pelo Sr. Armando Paro



 Casa do Sr. Armando Paro

No facebook julho/2018:
Hélia Marta Filomeno Ikuma As meninas filhas do Sr Armando e Dona Luizinha Carmem Leao Leao 'Dalva Paro' Paro se reúnem toda tarde para um café e fazer bordados.

Carmem Leao Leao Corrigindo o corretor rsrsrs todos os dias nos reunimos para o cafezinho da tarde,os bisnetos adoram passar a tarde lá com as tias.

Carmem Leao Leao Podem chegar que sempre tem cafezinho com bolo ou 🍪☕️🍪🍩

Diva Maria Dechen J. Franco PARECE-M QUE NOS ANOS 40 E 50 O PROPRIETÁRIO foi o Sr ELIAS GABRIEL , dono da casa São Domingos(presentes), avô do professor PEDRO CÂNDIDO. A mãe do professor, Walquiria era filha do SrlElias Gabriel.



Casa do Sr. Aurélio  Paro


Há muitas outras famílias que contribuíram para a urbanização de Colina, uma lástima que muitas  casas não existam mais.   Nos anos sessenta houve forte migração de famílias da área rural para Colina, aqui construíram suas residências.  A cidade vai se expandindo cada vez mais e no presente conta com diversos bairros com casas de todos os tipos. 
Este ano, 2013, observamos a demolição de dois prédios na área central para dar lugar a modernas instalações comerciais.  Uma pena que estas construções tenham desaparecido para dar lugar a o que chamam progresso.
 As casas antigas nos contam o passado da formação da cidade, as contemporâneas e as modernas, certamente, se projetam para um futuro que ainda será contado

                               PRIMEIROS LOTEAMENTOS

A Fazenda Colina, de José Venâncio Dias, deu origem à cidade.  José Venâncio fez o primeiro loteamento, com ajuda do engenheiro Mastrela.  A divisão foi feita da divisa da Fazenda Baixadinha seguindo pela Rua 13 de Maio até a Rua Antônio Junqueira Franco e voltando pela Rua Antônio Paulo de Miranda
A fazenda São Joaquim chegava até atrás da igreja da matriz abrangendo boa parte do que Colina é hoje. Nesta área que ia de detrás da Igreja até o campo do Clube Colina Atlético aconteceu muitos anos depois outro loteamento que foi chamado Vila Junqueira.  O dono era o Sr Joaquim Firmino Junqueira, pai do Sr. Modesto Junqueira que realizou este loteamento e de  D. Ziloca, Alzira Gomes do Val, que doou o terreno do grupo escolar José Venâncio Dias.  A família também doou o terreno da igreja e do Lar Paroquial..

Pedimos desculpas por possíveis enganos e omissões que tenham acontecido na tentativa de mostrar o valor da arquitetura das casas antigas de Colina.  Esperamos que as autoridades e a população se unam para preservar o que a fim de que para que as futuras gerações tenham ideia do passado de nossa cidade

Maria del Rosário Barcelos
Colina, novembro de 2013

sobre casas e casarões de Colina, acesse estes links: 

Casarão

Casas e casarões por Renata Paro

Antigo Hotel Brasil (antes Hotel Central)